Estadão avança em transformação digital

O Grupo Estado iniciou em 2/9 uma nova fase em sua trajetória de quase 145 anos de jornalismo: uma transformação na forma de produzir e de distribuir conteúdos, em diálogo permanente com o leitor que vive em uma sociedade em rede.

A inovação ocorre após um ciclo de três anos de planejamento e preparação da empresa, batizado de projeto Estadão 21, e de investimentos de mais de R$ 60 milhões em tecnologia, ferramentas, pessoas e novos produtos digitais. Segundo a empresa, o processo teve como norte reafirmar o jornal impresso como pilar fundamental, com mais profundidade e análises, e expandir a presença digital do Grupo em todas as plataformas.

A mudança contou com a consultoria da espanhola Prodigioso Volcán, que liderou projetos semelhantes em veículos internacionais. Foi precedida também de visitas de profissionais do Estadão a dez jornais, nos Estados Unidos e na Europa.

A nova redação multiplataforma passa a funcionar com as equipes em operação reforçada desde as primeiras horas da manhã, com foco na jornada do leitor e em suas necessidades informativas. A produção do noticiário será feita observando a distribuição nos diversos canais de consumo de informações dos usuários, como celular, site estadão.com.br, podcastsnewsletters e redes sociais, buscando o diálogo com a audiência durante todo o dia.

O jornal criou um Núcleo de Fechamento Impresso com quase 20 pessoas para preparar as reportagens que estarão, no dia seguinte, nas páginas da edição impressa. Na dança das cadeiras, Eduardo Kattah assume como editor de Politica/Internacional, duas editorias que se fundem. Os cadernos Metrópole (com o Caderno 2) e Esporte ficam sob o comando de Daniel FernandesMarta Curi assume a editoria de Política. Adriana Ferraz deixa de ser pauteira e volta para reportagem. Bruno Ribeiro deixa Metrópole e se muda para Política, onde vai cobrir administração municipal. Fábio Leite deixou a editoria de Política e o jornal a caminho da Crusoé. Da coluna Direto da FontePaula Reverbel foi para Política, e foram contratadas Cecilia Ramos e Marcela LoureiroMarília Neustein deixou a casa. Bia Reis segue como editora de Metrópole e Ubitaran Brasil no Caderno 2. (Veja+)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *