Sarau Literário homenageia Lourenço Diaféria

Lourenço Diaféria

Por iniciativa do vereador Eliseu Gabriel (PSB), a Câmara Municipal de São Paulo realiza nesta sexta-feira (21/9), a partir das 19h, sessão solene em homenagem ao escritor, cronista e jornalista Lourenço Diaféria, falecido há dez anos (16/9), aos 75 anos. Será na sala Sérgio Vieira de Mello, em formato de Sarau Literário, com leitura de crônicas e demais formas escritas que relembrem a memória dele. O evento é aberto ao público.

A solenidade contará com a presença de familiares e amigos e a mesa será composta, além do vereador Eliseu Gabriel, pela viúva do cronista Geiza Diaféria e pelos jornalistas Rose Nogueira e Sérgio Gomes, com os quais Lourenço teve a oportunidade de trabalhar e conviver. O evento tem apoio do grupo de sarau do jornal do Centro em Foco, cujos integrantes farão a leitura das crônicas de Lourenço, um dos poucos que retratou a cidade de São Paulo em seus escritos. Ele nasceu no Brás e nunca esqueceu suas raízes paulistanas, sempre presentes em sua obra.

Diaféria começou a carreira em 1956 na antiga Folha da Manhã, atual Folha de S.Paulo, onde ficou até 1977, quando foi preso pela ditadura devido à publicação da crônica Herói. Morto. Nós, considerada ofensiva às Forças Armadas. Nela, relatava o heroísmo do sargento do Corpo de Bombeiros Sílvio Delmar Hollenbach, que pulou em um poço de ariranhas no zoológico de Brasília para salvar a vida de um menino. A criança se salvou, mas o militar não conseguiu sobreviver ao ataque dos animais. A crônica citava o Duque de Caxias, patrono do Exército, lembrando o estado de abandono em que se encontrava sua estátua, existente até hoje na praça Princesa Isabel, no centro de São Paulo, próximo à Estação da Luz. Essa menção rendeu-lhe alguns dias de cárcere e processo baseado na Lei de Segurança Nacional. Enquanto esteve preso, a Folha não pode publicar suas crônicas e, em protesto, deixou em branco o espaço da coluna. Ele colaborou ainda com Jornal da Tarde, Diário Popular, Diário do Grande ABC, além de ter escrito para a TV Globo e as rádios Excelsior, Gazeta, Record e Bandeirantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *