Depois do Correio da Manhã, Magnavita relança O Cruzeiro

Por Cristina Vaz de Carvalho, editora de J&Cia no Rio

Cláudio Magnavita

Na esteira do relançamento do jornal Correio da Manhã, Cláudio Magnavita comprou também a marca da revista O Cruzeiro e seu acervo. Com lançamento previto para a segunda quinzena de novembro, terá cem páginas (capa mais 96) no formato Caras – de que O Cruzeiro foi pioneiro –, impressa na mesma gráfica de Caras. Os cem mil exemplares mensais terão distribuição nacional pela Abril, com preço de capa de R$ 18 nas bancas.

José Aparecido Miguel –paulista que vai ficar na ponte aérea para a edição mensal – será o editor-chefe. Ele e Magnavita trabalharam juntos no Jornal do Brasil, na gestão de Tales Faria, quando Miguel foi editor executivo. E já colabora no Correio da Manhã, com meia página 2, em uma sinopse da edição semanal.

A edição de estreia de O Cruzeiro vem com matéria de capa sobre Santa Dulce. Magnavita é baiano, conheceu a Irmã Dulce e acompanhou em Roma, com a família dela, os bastidores da canonização. Esteve nos eventos que precederam a cerimônia, no Vaticano e na Embaixada do Brasil na Itália, na Piazza Navona. Foi depois à Bahia, para a celebração.

Uma novidade: antes de presidir as obras sociais de sua tia, irmã Dulce, a carioca Maria Rita Pontes formou-se em Jornalismo e chegou a trabalhar em O Globo. É também filha de jornalista do antigo Correio da Manhã, já falecido. Ela apoiou a edição de Magnavita e facilitou o alcance a um arquivo de peças a que ninguém teve acesso.

O Cruzeiro começou a circular em 1928 e integrou os Diários Associados por mais 50 anos. Era semanal, e manteve em Belo Horizonte um acervo fantástico, muito bem preservado. Josemar Gimenez, presidente dos Associados, foi quem abriu as portas – nas palavras de Magnavita – desse patrimônio. Entre os colaboradores do novo O Cruzeiro, estarão o gaúcho Luiz Fernando Morais, com reportagens sobre a Região Sul, e o português Antonio Monteiro, que escreve para a UP, com matérias especiais sobre a Europa. Magnavita conta ainda com a integração com a equipe do Jornal da Barra e do Correio da Manhã, em cross media, com outro tratamento. O reforço internacional vem da Folhapress. A pegada de boas imagens, que caracterizou a revista, pretende ser resgatada com o banco de imagens histórico da publicação, completado com o acesso à Folha de S.Paulo.

Ao novo O Cruzeiro se aplica a antiga expressão: uma no cravo, outra na ferradura. Além do lado católico na capa – por ter sido um evento de projeção mundial –, a publicação abre espaço para uma personalidade local e estampa longa entrevista com a evangélica Sylvia Jane Crivella, mulher do prefeito do Rio, o bispo da igreja Universal Marcelo Crivella.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *