Cássia Almeida

    0
    3308

    Cássia Almeida completa em 2015 vinte anos de atuação no jornal O Globo. No início da trajetória no jornalismo trabalhou como redatora, fazia o copy (revisão e edição) das matérias, reescrevia, fazia título e subtítulo.

    Trabalhou no Teresópolis Jornal na cidade com o mesmo nome, região serrana do estado do Rio de Janeiro. De lá foi para o Jornal do Comércio, onde era redatora da editoria de política.

    Em maio de 95 começou a escrever sobre economia, quando entrou no O GLOBO. Ela mesmo contou como entrou para o jornal em entrevista aos alunos do curso de Comunicação Social – Jornalismo da Universidade Estácio de Sá, Rio, em novembro de 2004. “Tenho uma grande amiga que trabalha no Globo, e que tinha uma vaga. Ela me chamou para trabalhar na defesa do consumidor, que é na economia. Foi aí que eu entrei”, disse.

    Sobre o trabalho na editoria de Economia, entende que “tem assuntos mais duros, mais áridos, tem que conhecer mais a fundo para traduzir isso para o leitor, para ele entender o que é inflação, superávit primário, etc”. Atuando na área de macroeconomia cobriu os indicadores em geral, desemprego, produção industrial, Produto Interno Bruto, comércio exterior, finanças públicas, superávit e balança comercial, além de varejo e preço, que tem relação com a inflação. Os temas são divididos entre os jornalistas da editoria.

    Conquistou em 2003 o Prêmio Vladimir Herzog de Direitos Humanos pela série de reportagens A Terceirização que mata, que investiga o grande número de mortes e acidentes de trabalho relacionados a terceirização. A conquista do prêmio foi uma surpresa pois, segundo ela, o Prêmio Vladimir Herzog é um prêmio de direitos humanos. Uma matéria de mercado de trabalho ter ganho o Herzog foi muito legal e surpreendente.

    A reportagem já havia sido escolhida como a melhor matéria do mês, na premiação interna do Globo, que mensalmente elegia o melhor trabalho. No mesmo ano a reportagem conquistou o Prêmio Esso na categoria de informação econômica. Na matéria investigou questões relacionadas a acidentes de trabalho e a terceirização no setor de petróleo, de telefonia, no setor siderúrgico e elétrico.

    Ainda na mesma entrevista aos alunos de jornalismo ela falou da expectativa: “Quando veio o ESSO, a gente não imaginava. Então vimos os concorrentes e achamos que o nosso tinha mais chance, acreditávamos, mas só soubemos na hora, parecia o Oscar. Não comi o dia inteiro imaginando, porque o ESSO é o principal prêmio, foi muito legal. Quando faz um trabalho a gente não espera ganhar prêmio. Ninguém faz matéria esperando ganhar prêmio. Você quer fazer grandes coberturas porque é mais legal do que ficar todo dia fazendo o que subiu, o que caiu [no mercado econômico]. Quando você tem um grande assunto para trabalhar, fazer uma grande denúncia isso é o importante. Vai vir prêmio ou não? Se vier é uma maravilha. Seu trabalho você já fez, como diz um repórter daqui.

    Em 2005 Cássia ganhou o Prêmio ABS de Jornalismo, concedido pela Agência Brasil de Segurança, com a série de reportagens sobre contaminação de trabalhadores rurais.

    Em agosto de 2008 novo prêmio: 5ª edição do Prêmio Caixa de Jornalismo Social e Negócios em Turismo com a reportagem Mortes invisíveis no trabalho publicada pelo O Globo / RJ. Sobre a reportagem vitoriosa Cássia gravou para o Memória Globo.

    Em abril de 2013 numa troca de cadeiras na Economia de O Globo Cássia Almeida foi promovida a repórter especial.

    As principais matérias produzidas pelos jornalistas do jornal são parte do livro O Globo – 90 anos de reportagens, publicado em 2015 e também no formato de e.book. As matérias da Cássia fazem parte do livro.

    Venceu o Prêmio Esso em 2015, com a equipe do Globo na categoria Informação econômica com a reportagem Anda e para publicado no jornal O GLOBO. A série desatou o nó da mobilidade urbana no Brasil, destacando o impacto social do estímulo ao uso de carros em detrimento do transporte de massa. Foi demonstrada a situação de calamidade do transporte público brasileiro, as consequências brutais dos acidentes, mortes, poluição e como os meios alternativos de transporte ainda são incipientes no Brasil.

     

    Atualizado em outubro/2015 – Portal dos Jornalistas

    Fontes:

    https://www.portaldosjornalistas.com.br/noticia/premio-esso-divulga-finalistas-br

    Entrevista à memória O Globo http://globotv.globo.com/infoglobo/o-globo-hd/v/memoria-o-globo-cassia-almeida/3414057/

    http://memoria.oglobo.globo.com/jornalismo/premios-jornalisticos/as-viacutetimas-dos-agrotoacutexicos-12653381

    http://www.agrolink.com.br/agrolinkfito/NoticiaDetalhe.aspx?codNoticia=75413

    https://www.portaldosjornalistas.com.br/noticias-conteudo.aspx?id=1447

    Entrevista produzida para realização de trabalho acadêmico do curso de Comunicação Social – Jornalismo da Universidade Estácio de Sá, em novembro de 2004 / publicada em: http://portfoliofabianebastos.blogspot.com.br/2011/01/entrevista-cassia-almeida.html