Bianca Vasconcellos

Bianca Vasconcellos é formada em Comunicação Social – Jornalismo na Universidade Estadual de Londrina (PR), fez pós-graduação em produção de textos literários no Instituto Superior de Educação – ISE.
 

O primeiro trabalho como repórter de televisão foi na afiliada da TV Bandeirantes em Londrina. Em seguida trabalhou dois anos na TV Globo de Bauru/SP, onde foi  repórter e apresentadora. De Bauru para São Paulo, Bianca foi repórter especial nas emissoras TV Manchete, SBT (com Lillian Witte Fibe e Alberto Villas), TV Record (com Boris Casoy) e SBT (com Carlos Nascimento).

Ganhou o primeiro lugar no 8º Prêmio Sociedade Mata Atlântica com a série de reportagens Reserva sem Lei.

 
Alguns documentários premiados:

Uma Guerra sem Herói: a partir morte de 11 pessoas numa madrugada de 2014 em Belém/PA, pouco coberta pela imprensa nacional, o documentário reviu outras chacinas (RJ, SP) e ouviu os dois lados: os parentes das vítimas e policiais sobre o envolvimento da PM nos assassinatos das periferias do país. Finalista do Prêmio Exxon Mobil (2015).

Cinema brasileiro: câmera, luz, verbas!: aborda a qualidade e as dificuldades atuais do cinema nacional. Ganhou a segunda edição do Prêmio Petrobras de Jornalismo (2015) na categoria de TV e Cultura. (2015)

– A Pele Negra: aborda o preconceito racial no país da miscigenação, ganhou Menção Honrosa do Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos. (2014)
 
Escola Base, 20 anos depois: refaz os passos de um caso emblemático de erro de checagem da imprensa e da polícia. Finalista do Prêmio Esso de Jornalismo.(2014)
 
Medicina do Futuro: Realidade ou Ficção? : segundo lugar em 2013 do prêmio SindHRio e primeiro lugar do Prêmio Medtronic de Jornalismo (2014) considerado o “melhor documentário sobre novas tecnologias no avanço da medicina”. Este documentário foi exibido na Cinemateca Brasileira em 2014.
 
Exploração Sexual, o jogo fora da lei: Menção Honrosa do Concurso Tim Lopes de Jornalismo Investigativo, com um roteiro de um documentário que mapeou a exploração sexual infantil em duas cidades-sede da Copa, Manaus e Fortaleza.
 
A vida por um fio: sobre a medicina especializada em cuidados paliativos, foi finalista do Prêmio Roche de Saúde para o Jornalismo Ibero Americano/ Fundação de Jornalismo Gabriel García Marquez (2013). O documentário foi exibido em sessão especial na Cinemateca Brasileira em 2013 e na abertura do 3º Congresso Mundial de Cuidados Paliativos, em São Paulo.
 
Carandiru, a mancha da intolerância refez os passos do maior massacre de presos do país. Ganhou Menção Honrosa no Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos (2013)
 
A Mão de Obra Escrava Urbana, que investiga a exploração dos imigrantes andinos na indústria têxtil em São Paulo, ganhou Menção Honrosa no Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos (2012). Também foi finalista do Prêmio Esso de Jornalismo (2012).
 
O Vale do Paraíba, um mergulho na história e na cultura de uma das mais belas regiões do Brasil, ganhou o Prêmio IEV Mídia Cultural (2012).
 
Muito além das reportagens premiadas, documentários também premiados, Bianca é fotógrafa e tem o portfólio de seus cliques apresentados em preto e branco e por tipos das imagens captadas: ensaios na cidade, na praia, e no olhar dela que se fixa em pessoas nos retratos. Vale conferir.
 
 
 
Atualizado em Abril/2016 – Portal dos Jornalistas
 
Fontes:
 
Informações conferidas pela jornalista.
 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *