Agência Pública diz que ação ilegal do Exército matou dois inocentes no Rio

A Agência Pública postou nessa quarta-feira (29/4) uma reportagem especial com o resultado de suas apurações sobre a Operação Muquiço, ação do Exército em abril de 2019, que visava a acabar com atividades do tráfico de drogas da favela do Muquiço, no Rio de Janeiro, e que acabou matando dois inocentes.

Segundo documentos aos quais a Pública teve acesso, a ocupação da comunidade foi considerada ilegal pois não teve autorização da Presidência da República para o uso do Exército, conforme previa o decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) vigente na época. Durante a operação, os militares fuzilaram um carro e mataram o músico Evaldo Rosa e o catador de recicláveis Luciano Macedo, que tentou ajudar Evaldo após os tiros.

As versões apresentadas em depoimentos sobre o ocorrido são contraditórias. Os militares envolvidos no caso afirmaram que atiraram para impedir um assalto. O tenente Ítalo Nunes, comandante da tropa na ocasião, explicou que os militares foram atacados diversas vezes pelos traficantes durante a manhã, portanto os soldados estavam “assustados”. Confira a reportagem na íntegra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *