MPT divulga finalistas de seu prêmio de jornalismo

O Ministério Público do Trabalho divulgou nesta 5ª.feira (6/11) os finalistas do 1º Prêmio MPT de Jornalismo, que distribuirá R$ 360 mil aos vencedores. Eles serão anunciados na cerimônia de premiação, em 11/12, em Brasília. Os trabalhos avaliados abrangeram os temas fraudes nas relações de trabalho; trabalho escravo contemporâneo; trabalho infantil; discriminação de gênero, cor e pessoas com deficiência; meio ambiente do trabalho; promoção da liberdade sindical; trabalho portuário e aquaviário; e irregularidades trabalhistas na administração pública. Foram divididos nas categorias Radiojornalismo, Telejornalismo, Jornal Impresso, Revista Impressa, Webjornalismo, Fotojornalismo, prêmio especial Fraudes Trabalhistas e menção honrosa de repórter cinematográfico. Os finalistas são: Alessandra Sousa (Jornal do Tocantins), com Maioria dos contratos da Unitins está irregular; Ana Graziella Aguiar (TV Brasil), com Infância Perdida; Camila Rodrigues da Silva (Agência Pública), com A revoada dos passaralhos; Carlos Molinari (TV Brasil), com CLT 70 anos; Cezar Magalhães (Diário Online), com Esmolas sobre as águas; Daniela Assayag (Rede Amazônica/TV Globo), com Borracha: apogeu e queda do outro branco da Amazônia; Diego Nigro (Jornal do Commercio), com Um mergulho no absurdo; Domingos Peixoto (O Globo), com Crime liberdade de imprensa; Edilson Rodrigues Pereira (Jornal de Brasília), com Profissão: prostituta; Eduardo Matos (Rádio Gaúcha), com Os Estrangeiros e a luta por trabalho; Esdras Marchezan (Coletivo Repórter de Rua e Novo Jornal), com Garimpeiros: vida e morte embaixo da terra; Gecilene de Aguiar Sales (Rádio Rio Mar Manaus), com Trabalho escravo na região da Amazônia Legal; Guilherme Araújo e Simone Kafruni (Correio Braziliense), com Terceirizados: um golpe por dia na Esplanada; Gustavo Aguiar (Campus Repórter – UnB), com As fiapeiras de Frecheirinha; João Guedes (Revista Proteção), com Gincana Industrial; Jonathan Philip (Rádio Difusora AM 680), com Sonhos escravizados; Joyce Reinert (Notícias do Dia), com Nossos trabalhadores; Kleberson Santos (Diário Online), com Esmolas sobre as águas; Leandro Aislan (Rádio Bandnews), com O tráfico que escraviza; Leilane Menezes e Helena Mader (Correio Braziliense), com Cais do Abandono; Lilian Primi (Caros Amigos), com Trabalho precário atinge índios; Mariana Veil e Júlio Molica (GloboNews), com Especial Trabalho Escravo; Melquíades Júnior (Diário Nordeste), com Viúvas do veneno; Murilo Nascimento (atebrevehaiti.com), com Até Breve, Haiti – A história de haitianos traficados ao Brasil; Orlando Júnior (Rede Amazônica/TV Globo), com Borracha: apogeu e queda do outro branco da Amazônia; Patrick Camporez (A Gazeta), com Colheita de Café – Passos de volta à escravidão; Paulo Roberto Tavares (Correio do Povo), com Zumbis no volante; Regina Trindade (Rádio Espírito Santo AM), com A mentira da terceirização: São Gabriel da Palha na mira do MPT; Roberto Cabrini (SBT), com O doce veneno dos campos do senhor; Robson Bandeira (TV Pajuçara/TV Record), com Série homens de pedra: vítimas da escravidão; Rosa Rocha (Cidade Verde), com Escravos contemporâneos; Thiago Correia (TV Pajussara/TV Record), com a série Homens de pedra: vítimas da escravidão; Thiago Reis (Portal G1), com Trabalho existe?; e Thiago Toscani (RIC/TV Record), com Policiais catarinenses: saúde mental x apoio do estado.