-4.2 C
Nova Iorque
domingo, janeiro 23, 2022

Buy now

Diário do Comércio de SP é pioneiro no uso de fonte ecológica

O Diário do Comércio de São Paulo publicou em sua edição desta 3ª.feira (20/3) uma experiência que vinha conduzindo em segredo desde novembro sem que leitores ou a própria gráfica percebessem. Todo o texto do jornal, exceto títulos e olhos, na capa e páginas internas, foi passado para Ecofont Sans, fonte criada pela empresa holandesa Ecofont, premiada por software que economiza toner e cartucho em impressoras.

Segundo o diretor de Redação Moisés Rabinovici, “Nós a procuramos para saber se podíamos usar seus tipos furadinhos numa rotativa. Topado o desafio, em 2011, recebemos um piloto de fonte, agora finalizado. A Ecofont calcula que poderemos economizar até 30% em tinta. E hoje, junto com a primeira edição em Ecofont Sans, ela está distribuindo um press-release na Europa anunciando a nossa experiência, que poderá lhe render os jornais europeus, tão ciosos dos “três p em inglês ” pessoas, planeta e profit (lucro). A ideia de buscar a Ecofont partiu do próprio Rabinovici. “Num dia de setembro de 2011 encontrei na web, navegando, uma referência à Ecofont. Fui à origem, no site holandês, e escrevi lá a pergunta: “O princípio da economia na printer se aplicaria para a impressão de um jornal”. A resposta veio dois dias depois. Um dos criadores do programa, Rick van den Bos, respondeu que não sabiam, talvez sim, e que poderíamos testar.

Estabelecemos o diálogo, ele foi me dando o caminho das pedras e uma fonte para teste”, conta o diretor. Ele comenta também que a Ecofont Sans não altera o trabalho de diagramação do jornal: – Não muda, porque imprimimos um mesmo texto em várias fontes, descobrindo, assim, que a Ecofont é mais espaçosa, como a Verdana. Na verdade, numa coluna em Arial sobram três linhas em Ecofont. Daí para a frente, sem problema. É bom lembrar que, se fosse detentor do copyright da Times [New Roman], por exemplo, o Diário do Comércio poderia usá-la furada.

A Ecofont Sans foi feita especialmente para nosso uso, depois que a Arial considerou que os jornais são um mercado diferente das impressoras em corporações, bancos, departamentos de governo, onde ela é uma das disponíveis no pacote da Ecofont. Entendi nas conversas com a Ecofont que as fontes usadas pelos jornais, se compradas, não terão problemas de copyright para se tornarem, furadas, mais econômicas.

A Century Gothic, a fonte naturalmente mais econômica que existe, ficou ainda mais econômica depois de passada pelo processo da Ecofont”, Rabinovici explica que a utilização da nova fonte foi feita aos poucos e que não houve qualquer manifestação dos leitores comentando que haviam notado modificações, muito menos reclamando. “Rodamos primeiro um box, com medo de que poderia sair branco. Passamos depois para uma matéria inteira. Depois, páginas. E por meses testamos páginas sem que leitores e a própria gráfica percebessem. Quando disse ao publisher do jornal, Rogério Amato, que estávamos usando uma fonte furadinha, ele reagiu: – “Tá brincando!?”. Aí forneci-lhe uma lupa e ele ficou ali olhando e repetindo:- Impressionante! .

A ideia é daquelas tão simples que qualquer pessoa poderia ter tido, só que quem a teve primeiro e a patentearam foram os holandeses da Spranq, depois batizada, para o novo produto, de Ecofont, conclui. Rick van den Bos, proprietário e fundador da Ecofont, escreveu estar muito satisfeito que Rabinovici , tenha consciência de que os jornais também devem diminuir o impacto ambiental em sua rotina e muito feliz que tenha comprovado que a Ecofont é um efeito sustentável para o jornal”.

Alexander Kraaij, cofundador e criador da Ecofont, afirmou concordar, embora ressalvando que é claro que uma empresa holandesa preferiria que um jornal holandês fosse o primeiro a adotar o software, mas em contato com empresas brasileiras observamos que elas são empreendedoras e decididas. Por isso, estamos ansiosos para entrar no mercado brasileiro e muito orgulhosos por ter um jornal brasileiro como o primeiro no mundo a ser editado com Ecofont.

O programa oferece um software autossuficiente e completo para ser usado em impressões com fontes como Arial, Calibri, Verdana, Trebuchet e Times New Roman, criando furos nas letras sem afetar a legibilidade. No Brasil, a Ecofont também foi testada e aprovada pela Advocacia-Geral da União (AGU). Em 2009, a Comissão da Agenda Ambiental da AGU, em Brasília, liberou a Ecofont durante um mês para seus funcionários e comprovou que se todos usassem o software a economia giraria em torno de R$ 500 mil anuais. Para usuários domésticos, a Ecofont está disponível em www.ecofont.com.

Related Articles

22,043FãsCurtir
3,134SeguidoresSeguir
19,100InscritosInscrever

Últimas notícias

pt_BRPortuguese