Clone do Aos Fatos esconde rede de sites de fake news

Tai Nalon, diretora executiva e cofundadora do Aos Fatos, informou em matéria publicada no portal em 13/2 que uma rede de sites de fake news punida pela Justiça Eleitoral no ano passado apropriou-se do nome Aos Fatos para espalhar mais desinformação.

Segundo ela, o mais recente empreendimento desse grupo articulado que produz informações fraudulentas é o site aosfatos.com, ou Jornal Aos Fatos, cujo domínio foi comprado em 31 de janeiro e, desde então, publica sistematicamente conteúdo com informações falsas. Investigação que sua equipe fez apurou que o site é ligado a uma rede de mais de uma dezena de sites que usam ferramentas do Google para hospedar conteúdo e fazer dinheiro por meio de publicidade. O próprio Google já foi acionado pela Justiça Eleitoral para fornecer dados sobre esses produtores de conteúdo fraudulento. “O Jornal Aos Fatos usa deliberada e ilegalmente o nome do Aos Fatos para confundir leitores”, diz Tai.

Ela informa que o site fake está ligado a ao menos outras cinco páginas de distribuição de notícias falsas com grande capilaridade nas redes sociais: O Detetive (hoje fora do ar), Plantão BrasilNotícias Brasil OnlinePensa Brasil e Descobrindo As Verdades. “Aos Fatos já desbancou conteúdo falso ou distorcido desses sites ao menos 14 vezes”, afirma. “O aosfatos.com (que não é o site aosfatos.org ) está no ar há menos de um mês, mas usa o mesmo Google Analytics ID de um site banido por espalhar fake news durante as eleições do ano passado. Pesquisando o código-fonte do site fake Jornal Aos Fatos é possível ver que o ID é pub-2670901358432562”.

Tai diz que o Aos Fatos tentou entrar em contato com os responsáveis pelos sites citados na reportagem, mas apenas o Notícias Brasil Online tem ferramenta ativa, com endereço de e-mail válido. A mensagem enviada ao e-mail do Pensa Brasil retornou. “Por e-mail, a reportagem apresentou o que apurou: as ligações entre os IDs e o Google AdSense”, esclarece ela. “Também perguntou quais seriam as relações entre as páginas. Mas até a publicação da reportagem não havia obtido retorno dos responsáveis pelos sites”.C

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *