Sindicato diz que demissão de Décio Trujilo foi política. EBC nega

O Sindicato dos Jornalistas de São Paulo publicou em 28/2 em seu site nota informando que Décio Trujilo, gerente da Agência Brasil em São Paulo, seria demitido por uma matéria de sua equipe ter desagradado aos contratantes/clientes da Agência Nacional de Águas (ANA). Por meio de sua Gerência de Comunicação em Brasília, a EBC enviou a J&Cia nota em que confirma a demissão mas nega a motivação política;

Segundo o Sindicato, por força de um contrato no valor de R$ 1,8 milhão firmado com a ANA, desde janeiro a EBC produz conteúdos favoráveis ao Fórum Mundial da Água, evento marcado para o período de 18 a 23/3 em Brasília. A entidade afirma que a demissão de Trujilo envolve a reportagem Apesar de obras, São Paulo ainda precisa de chuva para evitar nova crise hídrica: “A abordagem desagradou ao presidente do Conselho Mundial da Água – órgão organizador do fórum –, Benedito Braga. Ele é também secretário de Recursos Hídricos do governo de Geraldo Alckmin. Apesar da retirada de um trecho que realmente continha uma imprecisão, a medida não foi suficiente para contemplar os clientes/contratantes da ANA. Décio Trujilo foi demitido após reclamações formais de assessores da ANA e do Fórum Mundial da Água”.

Na nota que enviou a J&Cia, a EBC afirma que a substituição de Décio “foi uma decisão administrativa da Superintendência da EBC em São Paulo” e que a decisão foi motivada “exclusivamente por critérios técnicos de atuação profissional expressos no Manual de Jornalismo da empresa, segundo os quais ‘o rigor com a exatidão de dados e informações é obrigatório’. Contrariando o critério zeloso que assegura a credibilidade da Agência Brasil, a matéria originalmente publicada no dia 25 de fevereiro sob o título Apesar de obras, São Paulo ainda precisa de chuva para evitar nova crise, fez referência a dados estatísticos desatualizados, cujo erro numérico compromete a veracidade da informação e causa danos à reputação do jornalismo da EBC. Como a Agência Brasil também é fonte de informação para a mídia nacional e internacional, a repetição do erro em outros veículos ampliou a repercussão negativa. A matéria em questão não fez menção alguma à Agência Nacional de Águas (ANA), o que torna descabida qualquer referência a eventual desagrado da ANA. Em se tratando de cargo em comissão, seus ocupantes são passíveis de dispensa a qualquer momento, pela própria natureza da função”.

A J&Cia, Décio disse ter em mãos e-mail de um assessor direto de Benedito Braga reclamando da matéria, o que deu início à crise, e que os dados contestados continuam publicados na reportagem do site da Agência Brasil. “É de se supor que, se estivessem incorretos, teriam sido corrigidos”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *