Em novo formato, Esso anuncia ganhadores

O Prêmio Esso abandona este ano o ?formato Oscar? para anunciar seus vencedores. Nesta 56ª edição ficou estabelecido que a divulgação do resultado, que antes era conhecido apenas na noite festiva de premiação, seria feita tão logo o julgamento se encerrasse, o que já aconteceu. A festa de premiação será realizada no dia 1º/12, quando a Esso vai homenagear os profissionais que se destacaram em cada categoria. Andreza Matais, José Ernesto Credendio e Catia Seabra, da Folha de S.Paulo, conquistaram o prêmio principal, o Esso de Jornalismo, com a série O patrimônio e as consultorias que derrubaram Palocci. O Esso de Telejornalismo foi conferido à equipe da Record formada por Gustavo Costa, André Tal, Cátia Mazin e Rodrigo Bettio, que produziu Especial 40 anos ? Transamazônica, a estrada sem fim. Nas demais categorias, todas de mídia impressa, sagraram-se vencedores: Reportagem ? Fabiana Moraes, do Jornal do Commercio, de Recife; Fotografia ? Epitácio Pessoa, de O Estado de S.Paulo; Informação econômica ? David Friedlander, Leandro Modé, Fausto Macedo e Sonia Racy, também de O Estado de S.Paulo; Informação científica, tecnológica e ambiental ? Daniela Chiaretti, do Valor Econômico; Educação ? Tatiana dos Santos, Cleisi Soares, Gilmar de Souza e Arivaldo Hermes, do Jornal de Santa Catarina; Especial de primeira página ? João Bosco de Almeida, Ana Dubeux, Carlos Alexandre, Plácido Fernandes, Marcelo Agner, Luis Tajes e Marcelo Ramos, do Correio Braziliense; Criação gráfica jornal ? Dennis Fidalgo Doimo e André Graciotti, de O Estado de S.Paulo; Criação gráfica revista ? Elohim Barros, Adriana Verani e equipe, da Trip. Os prêmios regionais foram distribuídos assim: Norte Nordeste ? Ciara Carvalho, do Jornal do Commercio, de Recife; Centro Oeste ? Vinicius Sassine, do Correio Braziliense; Sul ? Itamar Melo, do Zero Hora; Sudeste ? Antonio Werneck, Waleska Borges e equipe, da Editoria Rio de O Globo. O repórter cinematográfico Rogério Miguel de Paula, da Rede InterTV, foi escolhido para receber a honraria de Melhor contribuição ao jornalismo. As cenas da reportagem O resgate de Dona Ilair, nas chuvas que assolaram a região serrana do Rio de Janeiro no início do ano, exibidas no Brasil e no exterior, evidenciaram ?o senso de oportunidade, a coragem e a perseverança do profissional para registrar as imagens, características que destacam a atuação do repórter cinematográfico, função fundamental para o Telejornalismo?, conforme foi definido pela Comissão de Premiação. De um total de 1.272 trabalhos inscritos, participaram 604 reportagens ou séries, 169 de fotografia, 269 de criação gráfica e 140 primeiras páginas de jornal, além de 90 de telejornalismo. A Comissão de Premiação que julgou os trabalhos de mídia impressa, exceto Fotografia, foi composta por Carlos Brickmann, Carlos Chaparro, Eleno Mendonça, Gilberto Menezes Cortes e Roberto Muggiati. A de Telejornalismo foi formada por Antônio Brasil, Cárlida Emerim e Denise Lilembaum. Uma comissão especial formada por 50 editores dos principais veículos brasileiros foi encarregada de apontar a foto vencedora.