Rafael Motta lança livro sobre Esmeraldo Tarquínio

Em seu primeiro livro, Rafael Motta faz o que chama de “reportagem biográfica”, em que aborda a trajetória pessoal e política do único negro eleito prefeito de Santos, litoral paulista.

Produzido após um ano e dois meses de pesquisas e entrevistas, o livro Tarquínio – Começar de Novo (Editora Leopoldianum, 240 páginas), conta a história de Esmeraldo Tarquínio, cassado pela ditadura militar antes mesmo de sua posse, trazendo aspectos políticos, sociais e econômicos e referências de históricas – de 1910 a 1980 – que ajudam o leitor a se situar na época do biografado.

Eleito em 1968, o político teve seus direitos suspensos até 1979 e transformou-se em símbolo da luta dos santistas pelo direito de eleger novamente seu governante.  “A origem de Tarquínio também é interessante”, diz Rafael. “O pai dele era baiano e foi morar em Santos ainda adolescente, onde aprendeu a ler e escrever, e se tornou jornalista”.

Segundo ele, a ideia da obra surgiu de uma pauta encomendada pelo jornal A Tribuna, em que trabalha. “Em 2009, fui pautado para fazer reportagem sobre os 40 anos dos direitos cassados na ditadura. Foi então que, ao colher diversos depoimentos, inclusive do filho mais velho de Tarquínio, hoje também político, percebi que era impressionante que Santos não conseguisse destacá-lo e que não houvesse obra falando sobre sua trajetória. Tarquínio foi símbolo da luta política na cidade. Relendo essa matéria em casa dois anos depois, tive um estalo”, conta o autor.

“O que mais me chamou atenção durante a pesquisa foi que quanto mais eu procurava referências, mais tinha uma boa impressão, o que é difícil acontecer quando tratamos de políticos. Não havia ressalvas sobre o Tarquínio, só boas referências. As pessoas me falavam dele de forma amistosa e se mostravam felizes por ter convivido com ele”, comenta Rafael.