Dados se consolidam e resultado apresenta menos variações que em 2012

Em sua terceira edição, o Ranking J&Cia dos Mais Premiados Jornalistas Brasileiros apresentou uma grande evolução rumo à consolidação de sua base de dados. O aumento de 94 para 116 premiações e a pesquisa realizada em edições mais antigas dos prêmios que já integravam essa base em 2012 permitiram a redução dos casos em que pontuações não eram integralmente atribuídas a todos os laureados. Para se ter uma ideia, se considerarmos apenas a pontuação de prêmios antigos e que ainda não havia sido computada (isso sobre os 94 prêmios analisados até 2012), o total supera 5 mil pontos, que equivalem a aproximadamente 1/3 de todos os pontos distribuídos apenas em 2013. A pesquisa J&Cia conseguiu identificar, por exemplo, mais cinco edições completas do Massey Ferguson (2005 a 2009), duas do Ethos (2001 e 2002), quatro do SBD-Sociedade Brasileira de Diabetes (2005 a 2008), uma do Cristina Tavares (1997), uma do ABP (2010) e duas do L.A. de Jornalismo Investigativo (2007 e 2009), além de terem sido acrescidos resultados de diversas premiações como SIP, Abag/RP, FNPI, Jabuti, Vladimir Herzog, Esso, Unisys, Embratel, CNH, Caixa, BNB e Abecip. Ainda assim, a falta de documentação e histórico de premiados impede que outras edições sejam consideradas, ou até que alguns prêmios sugeridos pelos próprios jornalistas sejam incluídos. Cremos que, com esse avanço na pesquisa, temos hoje em nosso Centro de Memória uma base ainda mais robusta para a elaboração do ranking. Se novas descobertas surgirem, serão naturalmente agregadas ao projeto, do mesmo modo que as novas premiações, como Petrobras e Abear, que não entraram em 2013 – e entrarão em 2014 – porque o regulamento determina que se espere pela segunda edição para então agregar seus resultados ao projeto. Outro aspecto a ser destacado é a certeza de que o ranking agrega a grande maioria dos prêmios existentes e a quase totalidade dos de maior expressão. Se nessas três primeiras edições do ranking as classificações tiveram impacto tanto de pontuações passadas quanto de presentes, a partir de agora esse reflexo dar-se-á sobretudo pelas pontuações dos prêmios do ano e por eventuais alterações na grade por decisão do Conselho Consultivo. Em 2013, essas alterações foram um acréscimo de 20 pontos ao Jabuti, no caso de o vencedor do Jabuti de Reportagem levar também o Jabuti de Melhor Livro do Ano – Não Ficção, e uma readequação dos pontos concedidos aos Prêmios Específicos Nacionais do Embratel (Informação Econômica, Esportiva, Cultural etc.), que recebiam até este ano a mesma pontuação que as premiações Nacionais de temática livre (Rádio, Televisão, Jornal e Revista). Embora a inclusão de premiações passadas não tenha provocado muitas mudanças nos resultados dos mais vitoriosos de todos os tempos, elas ocorreram, pois houve casos em que a quantidade de novos pontos atribuídos a um mesmo profissional foi elevada. Atualizado até o último momento – A opção por realizar internamente o ranking, com a própria equipe de Jornalistas&Cia, permitiu, pela proximidade entre pesquisa e redação, aguardar até que os últimos resultados de premiações fossem divulgados para fechar os números definitivos da pesquisa. Dessa maneira, para a consolidação do Ranking dos Mais Premiados Jornalistas de 2013 foram também considerados os resultados de prêmios como o ARI (anunciado nesta 5ª.feira, 19/12), Sangue Bom (12/12) e Tim Lopes (10/12), resultados que inclusive nesta edição definiram o primeiro colocado do ano, o gaúcho  Humberto Trezzi, de Zero Hora. Pontos apenas para os primeiros colocados – q Assim como nas edições anteriores do ranking, apenas as premiações destinadas aos primeiros colocados de cada categoria são consideradas para efeito de pontuação. Menções honrosas, prêmios especiais e reconhecimentos para finalistas ou segundos e terceiros colocados não recebem pontuação. Para 2014 Fora do ranking neste ano, prêmios como Petrobras, Roche, Abear e SBPT/Pfizer devem integrar base em 2014 O ano de 2013 marcou o nascimento de pelo menos nove prêmios de jornalismo, incluindo iniciativas nacionais, regionais, específicas ou de temática livre. O grande destaque foi a criação do Prêmio Petrobras, o maior do País em valores, distribuindo quase R$ 500 mil para os vencedores de suas 34 categorias. Obedecendo ao princípio básico instituído pelo ranking, com a aprovação do Conselho Consultivo, de que apenas prêmios com mais de uma edição realizada poderão integrar a lista de iniciativas consideradas, esses prêmios figurarão no levantamento a partir do próximo ano, incluindo os resultados de 2013. Além do Petrobras, tiveram primeira edição em 2013 os prêmios Roche, Abear, SBPT/Pfizer, ETCO, Sincor-SP, ADEP-DF, Consad e ABCZ de Reportagem.