Apoiadores de Bolsonaro agridem jornalistas no DF

Momento em que Dida Sampaio é derrubado no chão e agredido por apoiadores de Jair Bolsonaro

Em manifestação realizada no domingo (3/5), em frente ao Palácio do Planalto, apoiadores do presidente Jair Bolsonaro agrediram profissionais de imprensa. Durante a cobertura do ato, em que o presidente atacou o STF e o Congresso Nacional, o repórter fotográfico do Estadão Dida Sampaio foi derrubado por duas vezes e chutado no chão por manifestantes. O repórter fotográfico Orlando Brito, do site Os Divergentes, e o repórter Fabio Pupo, da Folha de S.Paulo, foram empurrados ao tentar ajudar Dida. O repórter Nivaldo Carboni, do Poder 360, levou um chute e foi hostilizado várias vezes. O motorista do Estadão Marcos Pereira também foi agredido.

Acionada por repórteres da Folha de S.Paulo, a Polícia Militar do Distrito Federal negou-se a intervir.

Um dos mais premiados repórteres fotográficos do Brasil, Dida Sampaio ganhou alguns dos principais reconhecimentos jornalísticos nacionais e internacionais, entre eles os prêmios Esso, Vladimir Herzog e Petrobras, duas vezes cada, e o internacional SIP.

Imagem “Lava Jato Planalto” rendeu a Dida o Prêmio Esso de Fotografia, em 2015.

Em uma de suas imagens mais célebres e premiadas, flagrou a ex-presidente Dilma Rousseff passando com sua bicicleta em frente a um Lava Jato.

Diversas entidades nacionais defensoras do jornalismo repudiaram a atitude dos bolsonaristas. A Associação Nacional de Jornais (ANJ) escreveu que, “além de atentarem de maneira covarde contra a integridade física daqueles que exerciam sua atividade profissional, os agressores atacaram frontalmente a própria liberdade de imprensa. Atentar contra o livre exercício da atividade jornalística é ferir também o direito dos cidadãos de serem livremente informados”.

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) destacou que o ocorrido é fruto da postura de Bolsonaro em relação à imprensa nacional: “Tais agressões são incentivadas pelo comportamento e pelo discurso do presidente Jair Bolsonaro. Seus ataques aos meios de comunicação, teorias conspiratórias e comportamento ofensivo fomentam um clima de hostilidade à imprensa, além de servirem de exemplo e legitimarem o comportamento criminoso de seus apoiadores. É inaceitável que militantes favoráveis ao governo saiam às ruas com objetivo expresso de intimidar os profissionais de imprensa, quando o próprio governo federal definiu o jornalismo como atividade essencial durante a pandemia”.

Cid Benjamin, presidente da Comissão de Liberdade de Imprensa da ABI, escreveu em nota que “esses atos violentos são mais graves porque não há, de parte do presidente ou de autoridades do governo, qualquer condenação a eles. Pelo contrário, são o próprio presidente e seus ministros que incentiva as agressões contra a imprensa e seus profissionais”.

As entidades afirmaram que a Justiça deve identificar e punir os agressores e reagir aos discursos antidemocráticos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *