Morre Newton Carlos, pioneiro das editorias de Internacional

Newton Carlos em 2010

Newton Carlos Pereira de Figueiredo, ou apenas Newton Carlos, como ficou conhecido, morreu no Rio de Janeiro em 30/9, aos 91 anos, depois de ter sido internado, no final de semana, com pneumonia.

Ele nasceu em Macaé, no Estado do Rio, e mudou-se para a capital para estudar Contabilidade, profissão que logo deixou. Começou nos anos 1940 no Correio da Manhã. Na década seguinte, passou à análise da política internacional no Jornal do Brasil, setor em que teria reconhecimento dali em diante.

Trabalhou na Organização Internacional dos Sindicatos Livres, em Bruxelas, a convite do governo espanhol no exílio. De volta ao Brasil, na década de 1960, foi chefe de Reportagem da revista Manchete, na Bloch Editores; no Jornal do Brasil, a convite de Jânio de Freitas, montou a primeira editoria de Internacional do País; e na Folha de S.Paulo, foi colunista de política internacional por 25 anos.

Esteve também no Diário de Notícias, na Última Hora e em O Pasquim. Escreveu para veículos internacionais, como o italiano Il Manifesto e o argentino Clarín, além de publicações peruanas e mexicanas. Teve carreira ainda na televisão (TV Rio e Globo) e no rádio (Excelsior), e como comentarista na Band. Sempre em atividade, até o início deste ano colaborou com o Correio Braziliense.

Publicou vários livros, entre eles: Chile com Allende para onde vai?; América Latina dois pontos; Camelot, uma guerra americana; e Bush e a doutrina das guerras sem fim. Como escritor, ganhou o Prêmio Rei da Espanha.

Newton Carlos deixa viúva Eliana Brazil Protásio e três filhas. Uma delas, Janaína Figueiredo, é jornalista de O Globo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *