Miriam Leitão é novamente a mais premiada jornalista da História

Líder em 2014, 2015 e 2016, ela reassumiu a ponta em 2019. Eliane Brum ficou em segundo lugar

E mais…

+Premiada Jornalista da História nas edições de 2014(*), 2015 e 2016(**) deste levantamento, Miriam Leitão reassumiu a liderança da pesquisa com os prêmios que ganhou em 2019. Jornalista do Grupo Globo, ela foi a nona colocada entre os +Premiados Jornalistas do Ano, com 80 pontos, resultado que a fez alcançar a primeira posição geral, com 1.240 pontos, ultrapassando Eliane Brum, do El País Brasil, agora na segunda posição, com 1.207,5 pontos.

Miriam Leitão

Coincidências à parte, com esse resultado, na primeira colocação dos rankings dos +Premiados do Ano e da História estão profissionais que sofreram ataques e ameaças ao longo dos últimos meses: Patrícia Campos Mello, da Folha de S.Paulo, líder no ano, foi ameaçada por sua reportagem que revelou um esquema de campanha não declarada pelo WhatsApp durante o período eleitoral, pelo então candidato a presidente Jair Bolsonaro; sobre Miriam, em julho passado, Bolsonaro mentiu em entrevista a jornalistas estrangeiros ao afirmar que ela foi presa quando ia para a Guerrilha do Araguaia e que não teria sido torturada durante a ditadura militar.

Uma das mais respeitadas profissionais do jornalismo brasileiro, Miriam Leitão tem entre seus principais reconhecimentos os prêmios internacionais Maria Moors Cabot e Econômico Ibero-Americano, e os nacionais Esso, Vladimir Herzog e Ayrton Senna. No campo da literatura, conquistou em 2012 o Jabuti de Livro do Ano Não Ficção, por Saga brasileira: A longa luta de um povo por sua moeda.

Mas é no reconhecimento entre os próprios colegas de profissão que Miriam tem se destacado: ela é uma das recordistas em troféus dos prêmios Comunique-se (13, no total) e Mulher Imprensa (nove), além de ser tetracampeã na eleição dos +Admirados Jornalistas de Economia, Negócios e Finanças. Também pelo conjunto da sua obra, recebeu os prêmios Abraji, ACIE e Personalidade da Comunicação.

Líder do Ranking dos +Premiados Jornalistas da História nas últimas três edições (2016, 2017 e 2018), Eliane Brum, colunista do El País Brasil, tem dedicado sua carreira nos últimos anos principalmente à produção de trabalhos autorais. Dentre eles está o recém-lançado livro Brasil, construtor de ruínas: Um olhar sobre o Brasil, de Lula a Bolsonaro. Ainda assim recebeu em 2019 o Comunique-se, na categoria Jornalista Nacional Mídia Escrita, que a ajudou a alcançar os 1.207,5 pontos e a segunda colocação.

Eliane Brum

Mais premiado jornalista do Brasil em número de conquistas, com 66 consideradas por este levantamento, Cid Martins segue na terceira colocação geral, com 1.127,5 pontos. Só em 2019 foram seis conquistas, dentre elas os prêmios MP-RS, ARI e CNT, dos quais é recordista absoluto de troféus, com 13, 11 e sete conquistas, respectivamente.

Cid Martins

Do quarto ao sexto lugares as posições seguem inalteradas, com Caco Barcellos (4º, com 960 pontos), Mauri König (6º, com 937,5) e João Antônio de Barros (6º, com 740 pontos). Vencedor do Prêmio MP-RS em 2019, Giovani Grizotti subiu uma posição no levantamento e agora ocupa o sétimo lugar, com 725 pontos. Ele é seguido de perto por Marcelo Canellas (8º, com 722,5), André Trigueiro (9º, com 717,5) e Carlos Wagner (10º, com 715 pontos).

Vale lembrar que a pesquisa abrangeu 166 premiações jornalísticas, nacionais e internacionais, ao longo de quase 80 anos. Confira a relação completa dos +Premiados Jornalistas da História no link.

(*) Em 2014, Miriam Leitão dividiu a liderança do Ranking dos +Premiados da História com José Hamilton Ribeiro, mais tarde reconhecido como Líder Hors-concours deste ranking;

(**) Em 2016 foi a vez de Miriam dividir a primeira colocação com Eliane Brum.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *