Masturbação de jornalista via Zoom alerta para a necessidade de normas para o trabalho remoto

Jeffrey Toobin (Foto: Getty Images)

Por Luciana Gurgel

Em um relatório publicado em julho pela International News Media Association sobre os efeitos do trabalho em casa sobre a imprensa, a jornalista e pesquisadora americana Mary Meehan aponta uma necessidade que talvez ainda não esteja no radar de todas as organizações: processos de RH para lidar com situações advindas dessa nova realidade.

Ela cita o exemplo de um jornalista espanhol que fazia uma reunião por Zoom quando uma mulher quase nua passou atrás da câmera. E pergunta: “Por ser um problema que raramente acontece numa redação, é preciso criar novas políticas para lidar com ele?”.

Mas o caso – que provocou um novelesco debate sobre se Alfonso Melros traía a mulher com a quase-pelada, também jornalista – não é nada perto do que viria a se abater sobre a The New Yorker. 

Ao ser flagrado masturbando-se durante uma reunião interna via Zoom, o jornalista da revista Jeffrey Toobin virou dor de cabeça para o RH da Condé Nast, que não deve ter seguido o conselho de se preparar para desastres assim. Uma suspensão só veio quando o Vice revelou o caso, em 19/10, quase uma semana depois de Toobin ter sumido das redes sociais.

Quanto mais alto o voo, maior a queda

Advogado formado em Harvard, ele protagonizou coberturas jurídicas célebres, como a do julgamento do atleta O.J.Simpson, transformado no livro que deu origem à série. Além de afastado da New Yorker, teve que se licenciar da CNN, onde é (ou era?) analista-chefe de assuntos legais. E pode vir mais.

Segundo o Motherboard, site de tecnologia do Vice, a New York Public Radio (que tinha profissionais na tal reunião) vetou Toobin em seus programas. O Doubleday, selo da Ramdon House que publicou seu último livro, não quis se manifestar sobre o futuro do autor.

Mesmo que os publishers perdoem, ele já foi condenado pelas redes sociais. A hashtag #meToobin foi a pá de cal, associando o escândalo a assédio sexual e moral. Até O.J.Simpson tirou uma casquinha, ironizando seu ex-carrasco em um video no Twitter,assistido por mais de 2 milhões de pessoas.

 “Não basta apenas mandar as pessoas para casa”

Independentemente do destino da mais nova vítima do Zoom, o episódio expõe uma das consequências do trabalho remoto, que sem aviso prévio tirou boa parte dos jornalistas das movimentadas redações para os isolar em seus casulos.

Não é seguro afirmar que Jeffrey Toobin tenha cometido o deslize por causa da pandemia. Poderia ter acontecido em outros tempos. Mas a frequência com que profissionais (não apenas jornalistas) passaram a interagir com colegas pelas telas, muitas vezes sem processos nem reflexão sobre como se posicionar, eleva os riscos a um outro patamar.

No relatório, Mary Meehan faz um alerta importante: não basta mandar as pessoas para casa.  Ela descreve a necessidade de sistemas adequados. Um dos pontos destacados é a infraestrutura, já que a desiguladade nos equipamentos pode levar a situações de desvantagem.

O documento chama também a atenção para procedimentos legais, com recomendações apresentadas em seminário promovido pela America’s Newspapers. A lista inclui aspectos trabalhistas e mecanismos para assegurar a confidencialidade diante de conexões domésticas não seguras e risco por descarte inadequado de documentos.

A autora aborda ainda os efeitos sobre a saúde emocional. Ela afirma que a cultura tradicional da redação deve mudar. E que apoio psicológico e empatia serão necessários em escala maior. Vários estudos têm mensurado o impacto da pandemia sobre o estado de espírito dos profissionais de imprensa, alguns apontando que é mais alto do que na média da população.

Trabalhar em casa não foi uma opção para a maioria dos jornalistas, profissionais de comunicação e de tantas outras áreas de negócio. A probabilidade de que uma vacina milagrosa devolva todos rapidamente às suas estações de trabalho e ao cafezinho amigo não parece realista.

A nova realidade está mostrando que há um preço a pagar. Há muito dever de casa – literalmente – a ser feito para tirar dela o melhor e amenizar seus riscos, que não são poucos.


Leia em mediatalks.com.br um resumo das conclusões do relatório e dos cases principais.

Para receber a newsletter semanal MediaTalks, com resumo de novos conteúdos e dicas de leitura, assine aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *