Mais de 90% dos assassinatos de jornalistas ficam impunes, diz Unesco

Às vésperas da Conferência Internacional sobre impunidade de crimes contra jornalistas – realizada em 9 e 10/10 na Costa Rica –, a Unesco divulgou um alerta dando conta de que mais de 90% dos assassinatos de jornalistas em todo o mundo ficam impunes.

De acordo com Pilar Alvarez, diretora da Unesco para a América Central, a ação tem por objetivo estimular a criação de uma “política pública eficiente” para mudar a situação atual na qual somente oito em cada cem assassinatos de comunicadores são esclarecidos.

A conferência antecedeu as comemorações do Dia Internacional pelo Fim da Impunidade dos Crimes contra Jornalistas, celebrado todos os anos em 2 de novembro, e recebeu especialistas de mais de 30 países para refletir sobre os desafios atuais e os melhores mecanismos de proteção, bem como os padrões de prevenção e proteção de jornalistas contra atos de violência.

Entre 2014 e 2015, ao menos 40 profissionais de comunicação foram assassinados nas Américas, segundo dados da Relatoria Especial para a Liberdade de Expressão da Comissão Interamericana.