Jornalismo esportivo enfrenta desafio

Como reagem as publicações esportivas europeias, sob o foco da AFP

Jogadores do Grêmio protestam com máscaras em 15/3 pela paralisação do Campeonato Gaúcho. Foto: Guilherme Testa/Correio do Povo

Por Cristina Vaz de Carvalho, editora de J&Cia no Rio de Janeiro

Não bastasse a falta de notícias numa área em que foram cancelados os eventos, fechados os clubes e os atletas impedidos de treinar, os jornalistas esportivos, de todas as plataformas, encaram o que a France Presse (AFP) chamou de “o maior desafio de sua história”. A expressão foi cunhada por Juan Ignacio Gallardo, diretor do esportivo Marca, líder em circulação na Espanha.

No Brasil não é diferente, e as publicações usam material de arquivo. Na Europa, apelam também por estender o conteúdo de Geral, para não perderem leitores ou audiência. O Marca, pela primeira vez em sua história, acrescentou duas páginas de informações não esportivas. O L’Equipe francês, outro jornal de referência, reduziu o número de páginas da edição impressa e passou a cobrir os jogos de videogame, o chamado e-sport. O italiano Gazzetta dello Sport concentrou sua cobertura nos atletas confirmados com a Covid-19, além de incluir noticiário geral.

Praticamente todos os veículos incluem conselhos para fazer exercícios no confinamento e recomendações de dietas saudáveis, muitas vezes apresentadas pelos próprios atletas, isolados em suas casas. Há, porém, um consenso, entre os analistas do mercado europeu, sobre a efetividade de tais medidas paliativas para fidelizar leitores, e ainda, que o aumento de visitantes online não deve compensar a queda da receita publicitária.

Mais afetadas são as emissoras de tevê: sem torneios para transmissão ao vivo, perdem os altos contratos publicitários. O francês Canal+ substituiu o futebol e a Fórmula 1 por filmes e séries. Já o também francês RMC Sport News interrompeu totalmente as atividades e está fora do ar desde16/3.  Material de arquivo foi a opção dos canais Eurosport – maior rede desportiva da Europa por cabo, satélite e IPTV, disponível em 59 países em 20 línguas – e Bein Sports, subsidiária da Al Jazeera voltada para os eventos esportivos, presente em vários países, por assinatura.

Até agora, a única notícia atual sobre esportes, no mundo, era a indecisão do Comitê Olímpico Internacional (COI) sobre o adiamento dos Jogos de Tóquio 2020. Com a divulgação, nessa terça-feira (24/3), de que serão realizados em 2021, não restam mais notícias sobre o esporte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *