Por Luciana Gurgel

Luciana Gurgel

Parece roteiro de filme. Um senhor de 85 anos, dono de uma fortuna de mais de US$ 5 bilhões, sai da zona de conforto para disputar a compra de um jornal lendário e salvá-lo das garras de um fundo de hedge notório por ceifar cabeças nas empresas que adquire.

A história está acontecendo nos Estados Unidos. O jornal é o Chicago Tribune, do grupo Tribune Publishing, também dono de uma lista de títulos regionais importantes. O bilionário é o suíço Hansjörg Wyss, que vendeu em 2012 sua empresa de produtos médicos para a J&J e passou a se dedicar a causas sociais.

Romantismo à parte, o que está em jogo é mais do que o destino do Tribune ou uma vitória do bem contra o mal. Até porque, embora os funcionários do grupo sejam contra a compra da empresa pelo Alden Global Capital, isso não significa que fundos de investimento ou de private equity sejam predadores por essência.

O Brasil tem casos de aquisições que salvaram marcas e empresas da falência e geraram empregos ao invés de eliminá-los.

Procurando distanciamento das paixões envolvidas na história do Tribune, a disputa chama a atenção para como o setor privado, os filantropos e as ONGs, incluindo fundações criadas por empresas ou famílias, podem ser parte da solução para o desafio de manter vivo o jornalismo de qualidade.

Gerir uma companhia ou uma fundação é coisa para profissionais. Empresários, administradores de ONGs e seus conselheiros sabem como fazer isso.

Experiência empresarial, ideias novas e recursos financeiros podem ser a tábua de salvação para uma indústria que se vê confrontada pelas mudanças tecnológicas e pelas transformações no modelo de propaganda da era pré-digital – e que nem sempre acha a saída.

Nos debates globais sobre o futuro da mídia, analistas e acadêmicos apontam a entrada do setor privado e das fundações como caminho promissor para garantir a sobrevivência de organizações jornalísticas centenárias. E para impulsionar as emergentes.

Porque empresários se engajariam? Alguns podem vislumbrar a possibilidade de ganhar dinheiro. Outros, de ganhar prestígio. Os idealistas podem querer salvaguardar empresas de mídia que funcionem como baluarte da democracia.

Parece ser esse o caso de Wyss. As declarações que fez sobre a motivação para colocar US$ 100 milhões sobre a mesa de negociações denotam a nobreza do homem que dedicou parte de sua fortuna a causas ambientais.

Para além do idealismo, nunca é demais lembrar que negócios precisam de um ambiente democrático para prosperar. Um ambiente em que as instituições sejam respeitadas, em que leis sejam contemporâneas e claras. Um imprensa sólida e de qualidade é parte dessa engrenagem.

Aos 85 anos, Wyss pode não estar planejando novas empreitadas comerciais. Mas para empresários e executivos que ainda estão na ativa, comandando ou dirigindo companhias, vale a reflexão. Será que as corporações estão fazendo o que está ao seu alcance para garantir a saúde do jornalismo de qualidade, tão importante para os seus negócios?

Combatendo a desinformação

A contribuição das ONGs para a sociedade pode não estar apenas no apoio direto à indústria de mídia, mas também no combate a uma de suas maiores ameaças: a desinformação que mina a confiança.

Na semana passada, o Instituto Aspen, fundado por um empresário americano na década de 1950, anunciou a criação de um Comitê de Desordem da Informação, formado por 15 notáveis de jornalismo, tecnologia, academia, justiça e filantropia.

A notícia ganhou as manchetes porque o príncipe Harry, crítico feroz das fake news e do bullying nas redes sociais, é um dos membros. O grupo vai formular um plano com propostas para conter o flagelo da desinformação. Pelos nomes recrutados, deve vir coisa boa.

E quem está pagando a conta de US$ 3,5 milhões é a Craig Newmark Philanthropies, criada por Craig Newmark, fundador da plataforma de anúncios classificados Craiglist. Mais um exemplo inspirador a ser observado.

Leia mais sobre a negociação envolvendo o Chicago Tribune e sobre a nova comissão de combate à desinformação em MediaTalks by J&Cia.

Inscreva-se em mediatalks[email protected] para receber as newsletters MediaTalks trazendo notícias, pesquisas e tendências globais em jornalismo e mídias sociais.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments