Fake News x fact-checking: briga pela verdade ganha novos capítulos

Em tempos de fake news, cresce o número de iniciativas promovidas por veículos e entidades jornalísticas para atestar a veracidade de informações que circulam na internet. A bola da vez são os lançamentos de um curso e um concurso de fact-checking, ambos apoiados por importantes entidades internacionais, além de novas ferramentas disponíveis nessa disputa contra os boatos digitais:

 

Curso

Em parceria com a ANJ e o Google News Lab, o Centro Knight para o Jornalismo nas Américas promoverá o primeiro curso online e massivo sobre checagem de informações para jornalistas.

Fact-checking, a ferramenta para combater notícias falsas será de 5/6 a 2/7, ministrado por Cristina Tardáguila, da Agência Lupa.

Em quatro semanas, os participantes vão aprender as origens do fact-checking e suas principais plataformas no mundo. Também serão ensinadas técnicas e metodologias por trás da checagem de fatos, princípios éticos dos checadores, os bastidores de alguns dos trabalhos de maior repercussão na área e a ver, por meio de exercícios práticos, que qualquer um pode (e deve) ser um checador.

O curso foi pensado para jornalistas, mas está aberto a qualquer interessado em aprender a metodologia de checagem de fatos. Mais informações e inscrições no site do Centro Knight.

 

Concurso

O International Center for Journalists (ICFJ) lançou o concurso TruthBuzz: The Viral Fact-Checking Contest. O desafio propõe à sociedade civil transformar a checagem de fatos em histórias capazes de atingir grandes audiências. As inscrições de projetos estão abertas até 30 de junho.

Com a iniciativa, o instituto busca promover a viralização de verdades contra boatos e notícias falsas e incentivar a criação de novos formatos para as narrativas de fact-checking. Em vez de explicações longas e estruturas em tópicos, por exemplo, o concurso recomenda que os projetos sejam atraentes, visuais e interativos, de forma que quem os ler possa entendê-los e compartilhá-los instantaneamente. Serão aceitas inscrições de propostas em qualquer formato digital.

O próprio site do TruthBuzz descreve os elementos necessários para elaborar um projeto competitivo. Os candidatos devem demonstrar, no momento da inscrição, como sua história contrapõe um boato falso. É necessário mostrar também as fontes que atestam os fatos e como sua proposta se utiliza de técnicas inovadoras para difundir a verdade com rapidez. O ICFJ aceita inscrições de falantes de todas as línguas. O primeiro colocado será contemplado com um prêmio de US$10 mil.

 

Ferramentas

Para ajudar a monitorar e diminuir o impacto das fake news, o SEMrush, empresa especializada em marketing digital e monitoramento web, indica algumas ferramentas que funcionam em ambiente online e são de uso fácil e intuitivo: Anewstip, que rastreia as notícias relativas aos termos pesquisados, e Hoaxy, cujo objetivo é listar onde os artigos de veracidade duvidosa foram publicados, para ajudar nos trabalhos de reversão de imagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *