Estudo aponta redações mais jovens e cortes em cargos com salários maiores

Redação da Folha de S. Paulo. (Foto: Lalo de Almeida/ Folhapress)

Pesquisa feita por Camilla Quesada Tavares, da Universidade Federal do Maranhão, e Cintia Xavier e Felipe Simão Pontes, da Universidade Estadual de Ponta Grossa (PR), analisou a situação do jornalismo brasileiro nos últimos anos. Os resultados indicaram redações mais jovens, muitos trabalhadores deixaram a profissão, as mulheres foram mais impactadas pelas mudanças e cortes em cargos mais altos, de maiores salários.

O estudo avaliou a situação dos jornalistas no Brasil de 2012 a 2017, para entender as características de seu trabalho e identificar como a crise atingiu a profissão nos últimos anos. Segundo os pesquisadores, “é possível demonstrar aproximações entre a literatura sobre crise e os movimentos realizados pelos jornalistas, no decorrer dos cinco anos”. Confira o resultado na íntegra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *