Claudio Carsughi e os bastidores da saída da Jovem Pan

Pegou mal e foi motivo de duras críticas por parte da imprensa esportiva e automotiva, além de atletas, pilotos e ouvintes, a notícia da saída de Claudio Carsughi da rádio Jovem Pan divulgada na última 2ª.feira (13/4). Após 58 anos na casa, e 82 de idade, o comentarista esportivo foi desligado da emissora ao lado de outros profissionais de tradição, como o chefe de Reportagem Anchieta Filho e o locutor Roberto Muller.

O anúncio de sua dispensa, sem nenhuma espécie de “aviso prévio”, aconteceu logo após sua participação dos programas esportivos da hora do almoço. A justificativa da emissora seria a necessidade de diminuir sua folha salarial, mas o que se ventila nos bastidores é que, de fato, sem ter o mesmo interesse por esportes e jornalismo que seu pai – Antônio Augusto Amaral de Carvalho, o Tuta –, Tutinha, comandante da rádio, estaria aos poucos cortando essas duas áreas da grade da emissora.

Desde 2013 ela já não mais transmitia, por exemplo, a temporada regular da Formula 1, que também tinha Carsughi como comentarista. No dia seguinte, ainda com a pressão um pouco elevada conforme informou sua filha, a também jornalista Claudia Carsughi, mas com a mesma expressão serena de sempre, Claudio participou do evento de lançamento do JAC T6. Bastante disposto, esbanjou simpatia e humildade com todos que, ainda sensibilizados, queriam saber mais detalhes de sua saída da emissora.

“Estamos muito impressionados com a quantidade de mensagens e telefonemas de pessoas solidarizadas com a notícia”, comentou Claudia. “Só no twitter, foram mais de três mil pessoas que passaram a seguir a conta do meu pai desde ontem”.

Durante o evento, o editor Fernando Soares teve a oportunidade de acompanhar a avaliação do novo SUV da fabricante chinesa ao lado de Claudio, em um trajeto entre as cidades de São Paulo e Itu, às margens do Rio Tietê. Em pouco mais de quatro horas, entre o trecho de ida, o almoço no interior paulista e o retorno à capital, muita conversa, que por diversas vezes foi interrompida por outros jornalistas em busca de entrevistas, ou por vários amigos, solidários com o colega de profissão.

Confira a seguir o resultado desse bate-papo:

Portal dos Jornalistas – Como você recebeu a notícia de seu desligamento?

Claudio Carsughi – Claro que fiquei surpreso, mas acho que isso é uma coisa normal, principalmente na nossa profissão. A rádio decidiu dar um enfoque diferente em sua programação e é normal que mudanças aconteçam por conta disso.

Portal dos Jornalistas – Logo após o anúncio de sua saída, você chegou a emitir algumas críticas quanto à postura política da emissora, que estaria se tornando muito de direita. Existe alguma relação entre a sua opinião e a decisão de seu desligamento?

Claudio – De forma alguma. São coisas totalmente diferentes. Fiz essa crítica apenas como uma forma de analisar o atual momento da rádio, mas jamais me coloquei contra as decisões de quem a comandava. Foi apenas um comentário, uma opinião minha.

Portal dos Jornalistas – Como você tem acompanhado e como tem sido o contato de fãs e colegas do setor desde que a notícia veio a público?

Claudio – Estou até agora muito sensibilizado e emocionado com toda essa resposta. Eu sabia que tinha muitos amigos no setor, mas não fazia ideia de que eram tantos assim. Desde ontem meu telefone não para de tocar e já perdi as contas de quantas mensagens recebi. Até a minha biografia tem vendido mais nesses dias (risos).

Portal dos Jornalistas – Como começou sua carreira na Jovem Pan?

Claudio – Eu vinha trabalhando havia algum tempo em uma emissora do interior quando surgiu a oportunidade de ir para a então Rádio Panamericana. Naquela época, a emissora era só a 14ª em audiência, e o Wilson Fittipaldi, o Barão, dirigia a área Comercial. Com muito esforço conseguimos montar uma estrutura boa e ganhar relevância, principalmente na época em que o Tuta assumiu o comando da rádio. Com ele tudo era mais fácil e a gente resolvia o que tinha para ser resolvido sem perder tempo.

Portal dos Jornalistas – Ao longo dos anos, recebeu muitos convites para trabalhar em outras emissoras?

Claudio – Muitos. Principalmente da Rádio Bandeirantes, mas eu sempre negava porque achava lá muito longe da minha casa (risos). Eu moro a apenas duas quadras da Jovem Pan. Recentemente até tivemos uma conversa mais séria, mas que acabou não evoluindo porque as duas emissoras decidiram fazer uma espécie de acordo para que nenhuma tirasse profissional da outra às vésperas da Copa do Mundo.

Portal dos Jornalistas – Como fica seu sentimento em relação à Jovem Pan?

Claudio – Sinceramente, eu voto para que eles tenham sucesso nessa nova fase, até para que não precisem mandar mais ninguém embora.

Portal dos Jornalistas – E agora, quais são seus planos?

Claudio – Minha ideia é voltar para alguma emissora, mas no momento estou realmente focado no lançamento do meu novo site, o www.carsughi.com.br, que coincidentemente ficou pronto nesta semana e deixa a plataforma da Jovem Pan para ser hospedado no UOL. A página trará notícias e análises sobre futebol e Formula 1.

Portal dos Jornalistas – Dentre os dois temas, qual é o seu favorito?

Claudio – Sem dúvida o automobilismo. Sou daqueles que, quando ia cobrir uma corrida, deixava o piloto em segundo plano para conversar com o engenheiro. Uma vez, em 1966, cheguei a discutir com um editor que queria aproveitar minha presença na Itália para acompanhar um jogo da Internazionale pela Copa dos Campeões. Eu falei para ele que não iria de jeito nenhum porque naquele dia eu acompanharia desde cedo os treinos para o GP de Monza. Sou realmente muito apaixonado por automobilismo, herdei essa paixão do meu pai, que me levava todo ano às corridas. Só não vou até hoje para Monza de bandeirinha da Ferrari na mão porque acho ridículo (risos).