Alguns segundos com Henry Sobel

Henry Sobel

Por Luiz Anversa (anversa86@gmail.com)

Minha única relação com o rabino Henry Sobel durou alguns segundos. Isso foi lá em 2012.

Estava subindo a rua Rego Freitas, do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, para ir ao lançamento do livro de Audálio Dantas sobre a vida de Vladimir HerzogAs duas guerras de Vlado Herzog (Editora Civilização Brasileira), obra que ganhou o Jabuti de Não-Ficção de 2013. O evento aconteceria no auditório do sindicato, que leva o nome do jornalista torturado e morto pela ditadura militar.

Chegando perto do prédio vi Sobel, todo atrapalhado, saindo de um táxi. Daquelas cenas das comédias antigas, gostosas de rever.

Estava fechando a porta do elevador quando ouço uma voz com muito sotaque norte-americano: “Segure a porte, por favor”.

Nesses poucos segundos do térreo até o andar do sindicato, falei apenas uma coisa para o rabino: “Muito obrigado por nos ajudar na época da ditadura”.

Ele ficou com as bochechas ainda mais vermelhas e respondeu: “Não foi nada”.

Já na fila para pegar meu autógrafo com Audálio, troquei algumas palavras com o autor da noite (já o conhecia dos meus tempos de Jornalistas&Cia, de Eduardo Ribeiro e seu grande editor-executivo Wilson Baroncelli) e contente por estar naquele lugar, com aquele personagem que ajudou a mudar a história do Brasil para melhor.

Estava deixando o auditório quando vi Henry Sobel no meio do espaço sem conversar com ninguém. “É agora”, pensei. Me aproximei dele e pedi um autógrafo. Ele ficou meio sem graça, dizendo que o livro era do Audálio. Respondi o que o próprio jornalista me disse quando assinava uma página do livro: “Sem o rabino Henry Sobel esse livro não teria existido”.

Depois da minha explicação, Sobel decidiu autografar. “Em nome de quem?”, perguntou. “Luiz”, respondi. Ele virou e olhou para mim: “Ah, sim, o Luiz do elevador”. Na dedicatória, algo simples, mas marcante: “Luiz, Shalom e Paz. Rabino Henry Sobel”.

Diversos líderes e personalidades, como os ex-presidentes FHC, Lula e Dilma, o governador João Doria, o prefeito Bruno Covas, o apresentador Luciano Huck, entre outros, se manifestaram sobre a morte de um defensor histórico dos Direitos Humanos.

Até o fechamento deste texto, o presidente Jair Bolsonaro não havia feito qualquer comentário. É aquele silêncio que explica tudo.

Luiz Anversa

É de Luiz Anversa (anversa86@gmail.com) o texto desta semana, a propósito da morte do rabino Henry Sobel, que teve papel de destaque nos episódios que se sucederam ao assassinato de Vladimir Herzog, em outubro de 1975. Luiz foi redator deste J&Cia e do portal da RedeTV e hoje integra a equipe de esportes do Yahoo. O artigo foi publicado originalmente no blog Planeta Política, que ele criou há mais de uma década.

-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-*-

Tem alguma história de redação interessante para contar? Mande para baroncelli@jornalistasecia.com.br e contribua para elevar o nosso estoque de memórias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *