28.3 C
Nova Iorque
sábado, setembro 18, 2021

Buy now

Livro relata Revolta de 1924 sob a ótica dos civis atingidos

Moacir Assunção lança em São Paulo nesta 5ª.feira (16/4), a partir das 19h, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional (av. Paulista, 2.073), seu décimo livro, São Paulo deve ser destruída – a história do bombardeio à capital na Revolta de 1924 (Record), que traz o material de pesquisa do mestrado que ele fez em História Social na PUC-SP e conta com apresentação de Domingos Meirelles (TV Record e ABI). A Revolução de 1924, ou Revolta de 1924, que ele retrata, também conhecida como A revolução esquecida, começou quando remanescentes da rebelião militar de 1922 contra o governo do presidente Epitácio Pessoa, refugiados em São Paulo, sublevaram parte do Exército e da Força Pública contra o governo do presidente Arthur Bernardes. A revolta, que contaria com sublevações em vários Estados, não saiu como deveria e os revoltosos, que pretendiam marchar até o Rio de Janeiro – então Capital Federal – e depor o presidente, acabaram ficando cercados em São Paulo. Durante 23 dias, em julho, São Paulo viveu uma guerra civil, com bombardeios, ataques de aviões e de tanques de guerra, sem precedentes em sua história e que levaram à morte de 504 pessoas e a ferimentos em quase cinco mil. Dos 700 mil habitantes da capital na época, cerca de 300 mil abandonaram a cidade, refugiando-se no interior e em outros Estados. O diferencial do livro de Moacir é que, em vez de contar a história dos líderes legalistas e rebeldes desse episódio que ajudou a gerar a Coluna Prestes, ele pesquisou em arquivos espalhados pelo País, livros e jornais da época, para contar a história das vítimas dos ataques, moradores dos bairros atingidos, principalmente Mooca, Brás, Cambuci e a região central. Sua ênfase é nas pessoas comuns. Assim, conseguiu colocar no papel as angústias, os sofrimentos e a dor de gente que perdeu tudo no conflito. Como diz Domingos Meirelles na apresentação: “Com um texto preciso, sem arabescos literários, onde as palavras estão sempre no lugar certo, Moacir Assunção parece conduzir o leitor pela mão, através desse imenso painel marcado por sofrimento e horror. Ao resgatar cenários e reconstituir personagens que se encontravam praticamente mumificados, perdidos nas dobras do tempo, o autor impediu que as histórias de violência e insânia contra o levante de 1924 fossem sepultadas de vez pelo esquecimento”. Professor de Jornalismo na Universidade São Judas Tadeu, Moacir teve passagens por Estadão, Diário Popular e Jornal de Brasília. É autor de vários livros sobre temas históricos e foi finalista do Jabuti 2008 com a obra Os homens que mataram o facínora – a história dos grandes inimigos de Lampião (Record, 2007).   Leia mais + Cláudio Carsughi deixa a Jovem Pan + Mariza Tavares e José Godoy lançam infanto-juvenil Pra ficar com ela + Estão abertas as inscrições para o 41º Prêmio Aberje

Related Articles

22,043FãsCurtir
2,942SeguidoresSeguir
18,400InscritosInscrever

Últimas notícias

pt_BRPortuguese