Eduardo Ribeiro

Eduardo Cesário Ribeiro nasceu em São Paulo (capital) em 9 de outubro de 1954. Formado em 1977 pela Fundação Armando Álvares Penteado, FAAP, concluiu em 2012 o Master Digital, Programa Avançado em Jornalismo Digital, do Master: Núcleo de Negócios de Mídia em parceria com a Universidade de Navarra (Pamplona/Espanha).

Iniciou suas atividades no campo editorial antes mesmo de formado, em 1974, como colaborador da revista Placar, da Editora Abril, ali atuando por cerca de três anos.

Em abril de 1976, pela mesma Editora Abril, foi contratado como estagiário de Jornalismo para atuar como repórter setorista da revista TV Guia, onde permaneceu até dezembro do mesmo ano.

Em janeiro de 1977, ainda na Abril, transferiu-se para a revista Casa Claudia, permanecendo até fevereiro de 1978; ali conquistou o Prêmio Abril de Jornalismo.

Em março de 1978 transferiu-se para a revista A Construção São Paulo, da Editora Pini, como repórter. Entre 1979 e 1980, como segunda atividade, foi revisor do jornal DCI – Diário do Comércio & Indústria.

Em abril de 1980 começou na Assessoria de Imprensa do Grupo Villares, de lá saindo em fevereiro de 1986 para assumir a Assessoria de Imprensa do Sindipeças – Sindicato Nacional dos Fabricantes de Componentes para Veículos Automotores.

Nesse período, entre essas duas organizações, integrou a diretoria do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo, ao longo de duas gestões, assumindo durante seu mandato a Coordenação da Comissão Permanente de Jornalistas em Assessoria de Imprensa. Nesse período, coordenou e editou tanto a versão preliminar quanto a primeira edição do Manual de Assessoria de Imprensa da Fenaj – Federação Nacional dos Jornalistas, aprovada no II ENJAI – Encontro Nacional dos Jornalistas em Assessoria de Imprensa, em 1995, em Recife, que contribuiu para a normatização dessa atividade em todo o País. Ainda no Sindicato dos Jornalistas, passou a assinar, em março de 1991, a coluna Moagem, sobre o vaivém do mercado jornalístico, que foi publicada ininterruptamente durante 23 anos, até o ano de 2014.

No Sindipeças ficou até fevereiro de 1992, quando transferiu-se para a Arteb, fábrica de autopeças, como gerente de Comunicação, onde ficou até fevereiro de 1994, também como responsável pelo Marketing do empreendimento Multishop.

Em março de 1994, transferiu-se para a Casa da Notícia, e, com a divisão desta, para a Casa da Imprensa, ali ficando até janeiro de 1995, quando atendeu, entre outros clientes, Arteb, Scopel e Banco Noroeste.

Paralelamente, associou-se, em 1993, à M&A Editora, atual Jornalistas Editora, para lançar o Jornal da Vila Mariana, que circulou até 1995.

De abril de 1994 a novembro de 1995 colaborou com a newsletter Deadline, da Deadline Comunicação e Editora, assinando a coluna Tur Over, sobre o vaivém do mercado jornalístico.

Em 1995 deixou de ser empregado para se dedicar exclusivamente aos seus próprios projetos editoriais, comerciais e empresariais, assumindo paralelamente ao trabalho na M&A Editora a Coordenação Comercial do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo.

Ainda em 1995, passou a organizar, pela M&A Editora, congressos nas áreas de Assessoria de Imprensa, Publicações Empresariais e Relações Públicas, evento que mais tarde viria a denominar-se Congresso Mega Brasil de Comunicação, Inovação e Estratégias Corporativas, o maior e mais importante evento independente da Comunicação Corporativa do Brasil e da América Latina.

É dessa época, 1995, o nascimento da newsletter Jornalistas&Cia, lançada oficialmente em setembro, então com o nome de FaxMOAGEM.

No ano de 1996, num trabalho voluntário, coordenou por um semestre o núcleo de cursos da Aberje – Associação Brasileira de Comunicação Empresarial.

Em 1997, iniciou uma nova atividade empresarial, como sócio na Puente Projetos de Comunicação (atual Mega Brasil Comunicação), onde idealizou e desenvolveu, até o ano 2000, projetos editoriais como os guias Fontes de Informação, Colunistas Brasileiros e de Assessoria de Imprensa e Comunicação Empresarial – Produtos e Serviços (todos com duas edições e em parceria com o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo); e o guia Imprensa Automotiva, em parceria com a Anfavea – Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores. Foi também coeditor do Guia Cursos para Jornalistas no Exterior, publicado durante dois anos.

Em maio desse mesmo ano de 1997 assumiu a coluna Misto Quente da Revista Imprensa, da qual foi titular até agosto de 1998.

No ano 2000, coordenou, pela M&A Editora, o livro Com a palavra os Editores, editado pela Franco Celano & Baroncelli, reunindo os depoimentos de dez jornalistas da imprensa do Rio de Janeiro, que participaram da etapa carioca do projeto Encontro com os Editores.

Em 2002, articulou a fundação da Abracom – Associação Brasileira das Agências de Comunicação, da qual foi secretário geral nas primeiras duas gestões. Criada oficialmente em abril daquele ano, com pouco mais de 50 associados, ao final de uma década contabilizava mais de 250 agências em seu quadro associativo.

Ainda em 2002, idealizou e coordenou o 1º Congresso Brasileiro de Comunicação no Serviço Público, que cinco anos mais tarde se incorporaria ao Congresso Mega Brasil de Comunicação.

Em 2003, coordenou a edição do Volume I do livro A comunicação no serviço público – A Comunicação nos Três Poderes (Mega Brasil Comunicação), reunindo a íntegra das palestras, debates e o melhor do 2º Congresso Brasileiro de Comunicação no Serviço Público.

Em 2005 idealizou e foi coautor, ao lado do também jornalista Engel Pascoal, do livro Jornalistas Brasileiros – Quem é quem no Jornalismo de Economia (Mega Brasil Comunicação); em 2007 editou o livro A trajetória de Octavio Frias de Oliveira (Mega Brasil Comunicação e Publifolha), de autoria do jornalista Engel Pascoal; e em 2009 idealizou, dirigiu e lançou o Anuário Brasileiro das Agências de Comunicação (Mega Brasil Comunicação) que em 2015 passou a denominar-se Anuário da Comunicação Corporativa.

Também pela Mega Brasil idealizou e liderou eventos como Seminário A Comunicação Corporativa das Grandes Organizações Brasileiras, Meeting de Assessoria de Imprensa, Seminário Mega Brasil de Comunicação Interna, além de ter também participado da criação e lançamento do Jornal da Comunicação Corporativa na web.

Na Jornalistas Editora, além da newsletter Jornalistas&Cia e do Portal dos Jornalistas, criou a newsletter Jornalistas&Cia – Imprensa Automotiva (2009), o Prêmio Jornalistas&Cia / HSBC de Imprensa e Sustentabilidade (2010), o Ranking dos Mais Premiados Jornalistas Brasileiros (2010) e o Prêmio Os +Admirados Jornalistas Brasileiros (2014), que ganhou depois versões especiais nos segmentos de Economia, Negócios e Finanças e Imprensa Automotiva.

Ainda na Jornalistas Editora criou a série Protagonistas da Imprensa Brasileira e Entrevista, ambas destinadas a homenagear grandes nomes do jornalismo contemporâneo; e a série Jornalistas&Cia Memória da Cultura Popular, em parceria com o Instituto Memória Brasil, presidido por Assis Ângelo, resgatando algumas das grandes reportagens que escreveu em sua carreira jornalística.

E pela mesma empresa iniciou, em 2010, ampla campanha pelo reconhecimento do padre cientista gaúcho Roberto Landell de Moura como inventor do rádio, numa parceria com o MLM – Movimento Landell de Moura e o apoio do biógrafo Hamilton Almeida. Dessa campanha feita pelas páginas da newsletter Jornalistas&Cia surgiram iniciativas como a inscrição do nome de Landell de Moura no Livro dos Heróis da Pátria no Panteão Tancredo Neves, em Brasília, por meio de um Projeto de Lei sancionado pela presidente Dilma Rousseff; a concessão do título de Cidadão Paulistano (post mortem) pela Câmara Municipal de São Paulo; a inclusão de sua saga no currículo do Ensino Básico do município de Porto Alegre; o lançamento dos Correios de um selo homenageando o sesquicentenário de nascimento de Landell de Moura.

Em 2017, participou da criação do Grupo de Comunicação Empresarial – GECOM, que veio a criar, sob sua inspiração, o Prêmio Excelência e Inovação em PR – Troféu Jatobá PR, dedicado às áreas de relações públicas e comunicação corporativa, conhecido como Prêmio Jatobá PR.

Entre os prêmios que recebeu, destacam-se Abril (1977), Aberje (1984 e 2017), Esso de Melhor Contribuição à Imprensa (revista Jornal dos Jornais, da qual era colunista – 1999) e Engenho de Comunicação (2006). Foi condecorado, em julho de 2011 com a Medalha do Mérito Santos-Dumont, pelo Comando da Aeronáutica; e em 2016 com a Medalha Anchieta, pela Câmara dos Vereadores de São Paulo, numa iniciativa do vereador Eliseu Gabriel.

Integrou por 15 anos, entre 2000 e 2015, o júri do Prêmio Esso de Fotografia. Em 2004, integrou as comissões de Seleção e Premiação do mesmo Prêmio Esso, porém de Jornalismo. Ao longo da carreira participou de diversos outros júris, destacando-se a participação em duas edições do Carnaval de São Paulo (jurado de letra de samba), nos anos 1990; Prêmio Braskem, Prêmio Citi, Prêmio Abrelpe, Prêmio Vladimir Herzog, Prêmio Volvo, Prêmio APCA, entre outros.

Foi sócio do portal Comunique-se, sem funções executivas; e é sócio-diretor de Jornalistas Editora (além de diretor responsável de seus produtos editoriais) e Mega Brasil Comunicação, respondendo pelas áreas de negócios e de conteúdo.

Foi ainda diretor de Jornalismo e membro do Conselho Deliberativo da ABI – Associação Brasileira de Imprensa, entre os anos de 2014 e 2016, permanecendo no Conselho até os dias atuais.

Atualizado: agosto/2020

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *