Folha pede investigação à PF após ameaças de fãs de Bolsonaro

Depois de sofrer críticas e ser acusada por Jair Bolsonaro de ser “a maior fake news do Brasil”, a Folha de S.Paulo solicitou a instauração de um inquérito pela Polícia Federal. O motivo é o crescente número de ameaças que os jornalistas vêm recebendo, em especial a repórter Patrícia Campos Mello.

Ele é a autora da reportagem Empresários bancam campanha contra o PT pelo WhatsApp, que mostrou contratos não declarados em campanha para a disseminação notícias favoráveis a Bolsonaro pelo aplicativo. Patrícia, segundo o jornal, está recebendo ameaças de agressão física por telefone e teve seu WhatsApp hackeado, passando a enviar mensagens favoráveis ao candidato do PSL.

“As ameaças à jornalista também se alastraram por grupos de apoio ao presidenciável do PSL no WhatsApp. Foram distribuídas mensagens convocando eleitores do capitão reformado para confrontar Patrícia no endereço onde aconteceria um evento que seria moderado por ela”, afirmou o comunicado do jornal.

Outra vítima é o diretor do Datafolha Mauro Paulino, atacado em mensagens em suas redes sociais e em sua casa. As redes sociais da publicação também não ficaram ilesas. Em um de seus números de WhatsApp, já foram registradas mais de 220 mil mensagens de cerca de 50 mil contas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *