Abaixando a máquina 2 vê as manifestações de 2013 sob a ótica dos jornalistas

Abaixando a máquina 2 – No limite da linha, sequência do documentário feito há dez anos pelo diretor Guillermo Planel e produzido pela Approach – Sérgio Pugliese à frente –, estreia em 17/3 no Cine Odeon, com debate e exposição de fotos. O novo filme também aborda as questões éticas da profissão, desta vez tendo como tema as manifestações populares de 2013, que provocaram grande discussão sobre o jornalismo tradicional versus a mídia alternativa. O documentário relembra a morte do cinegrafista Santiago Andrade e analisa os movimentos a partir da opinião de jornalistas como Ricardo Boechat e Ascânio Seleme; dos fotógrafos Evandro Teixeira, Domingos Peixoto e outros; de midiativistas como Elisa Quadros (Sininho); do Estado, representado por José Mariano Beltrame, secretário de Segurança do Rio; de manifestantes; do político Marcelo Freixo, entre outros. Apresenta, ainda, cenas inéditas da tensão entre policiais e repórteres, e o impacto dos protestos na imprensa carioca. O filme será exibido de 17 a 23/3, às 20h30, no Cine Odeon (praça Floriano, 7), no Rio. No mesmo endereço funciona o Centro Cultural Luiz Severiano Ribeiro. No dia da estreia, após a exibição, haverá um debate mediado por Dante Gastaltoni, professor de fotojornalismo de UFF e UFRJ, com a presença de Marcelo Carnaval, de O Globo; Paulo Araújo, ex-O Dia; Patrick Granja, cinegrafista do jornal Nova Democracia; e Hare Brasil, criminalista e midiativista do coletivo Carranca. Até 23/3, o espaço expõe Fé, luz e sombras, do fotógrafo Severino Silva, um dos entrevistados do documentário e que cedeu imagens para o filme.