Abracom define protocolos de retomada para agências

A Associação Brasileira das Agências de Comunicação (Abracom) anunciou nessa quinta-feira (9/7) os protocolos de retomada para a reocupação dos escritórios de suas agências associadas. A orientação geral é de que a retomada seja lenta, gradual e baseada em etapas progressivas, com medidas constantes de higienização, espaçamento entre mesas e escalonamento de equipes e horários.

Segundo a entidade, ainda na primeira semana das medidas restritivas, 91% dos trabalhadores do setor já estavam em home office, chegando a 100% do efetivo na semana seguinte. “Com uso intensivo de tecnologia, organização do fluxo de trabalho e engajamento das equipes, as agências associadas Abracom mostraram capacidade de manter seus profissionais protegidos do contágio no ambiente de trabalho ou em atividades profissionais”, destacou a associação em nota.

Pesquisa realizada em 2 e 3/7 apontou que 36% das empresas pretendem reocupar seus escritórios somente após a liberação geral das atividades econômicas nas cidades onde estão situadas. Em 18,4% dos casos, o intuito é retomar já a partir de 1º/8, enquanto 17,3% marcaram o retorno para setembro, 13,3% para outubro, e 10,7% não pretendem reocupar as estações de trabalho antes de 2021. Juntas, as associadas empregam mais 15 mil profissionais em todo o País.

Confira as orientações emitidas pela entidade:

Quando retornar aos escritórios?

As dimensões continentais do país e as diferenças regionais brasileiras mostram que a disseminação da Covid-19 se dá de forma desigual, não apenas de cidade para cidade, mas também dentro das grandes cidades, até mesmo com bairros sendo afetados de maneiras diferentes. Esse cenário provoca medidas diversas dos estados e municípios. Por isso, reiteramos, a tomada de decisão de cada agência deve levar em conta as orientações das autoridades locais e as autorizações específicas para funcionamento de escritórios.

A Abracom pesquisou entre seus associados as intenções de retorno. São muito variados os tempos projetados para a reocupação dos escritórios. Na média, as agências planejam retomar atividades presenciais somente quando houver liberação total das cidades onde estão sediadas. Algumas relataram intenção de voltar gradualmente a partir de agosto e há um número relevante de empresas que não pensam em retorno antes de setembro ou outubro.

A recomendação da Abracom é de que o retorno comece apenas a partir de agosto, em etapas, que serão detalhadas abaixo. Este é um prazo que pode ser reavaliado na medida em que possam acontecer novas ondas de contágio e só será validado com a confirmação da estabilização e da redução do número de novos casos em todo o país.

Planejamento do retorno

Em consonância com as recomendações jurídicas do escritório Romar, Massoni & Lobo e com as indicações de infectologistas e sanitaristas, a Abracom recomenda que o plano de retorno tenha as seguintes fases:

Elaboração de mapa de riscos do escritório: identificar pontos de aglomeração antes da pandemia, planejar atividades de sanitização frequente dos ambientes, promover limpeza constante dos dutos de ar, fazer a separação de baias ou estações de trabalho e limitar o uso de áreas comuns. Recomenda-se uso restrito de copas e cozinhas, máquinas de café e regras para uso de banheiros, a proibição de compartilhamento de objetos e o fornecimento de copos e outros utensílios individuais .

Identificação dos grupos de risco e consulta aos profissionais para o retorno: pesquisar situações de risco entre os funcionários e prestadores de serviço das agências. Identificar situações como moradia compartilhada com pessoas em grupo de risco e uso intenso e prolongado de transporte público a fim de manter os profissionais mais vulneráveis em isolamento social e trabalho remoto. Sugestão de roteiro para entrevistas com os funcionários:

1. Foi diagnosticado com a Covid-19? Se sim, há quanto tempo?

2. Teve contato com alguém que testou positivo para a Covid-19 nos últimos 15 dias?

3. Teve alguns dos sintomas nos últimos 15 dias (febre, tosse, dor de garganta, falta de ar, dor de cabeça, coriza, cansaço, conjuntivite, vômitos, diarreia e perda de olfato e paladar)?

4. Esteve em algum local com casos confirmado de Covid-19, nos últimos 15 dias?

5. Viajou nos últimos 15 dias? Se sim, para onde? E por quais meios de transporte?

6. Utiliza transporte público para o deslocamento ao escritório? Quais os meios, quantas viagens e qual a duração média?

7. Mais algum comentário relevante sobre a sua saúde/ grupo de risco, que considera importante sabermos?

8. Mora ou tem contato próximo diário com pessoas em grupos de risco?

Montar um check list das medidas de proteção e comunicar a funcionários, clientes, prestadores de serviços e fornecedores antes de começar o retorno:

  • Observância dos decretos e documentos oficiais;
  • Respeito às normatizações das autoridades estaduais e municipais para a retomada;
  • Política de distanciamento mínimo entre estações de trabalho implantada, com sinalização de solo e barreiras físicas de separação devidamente comunicada;
  • Reunião geral (online) com colaboradores para anunciar o plano de retomada;
  • Orientação e treinamento dos empregados para a adoção das medidas de proteção e distanciamento;
  • Orientação de fornecedores para as regras de entrada e uso do escritório;
  • Divulgação constante pelos canais de comunicação interna das medidas e protocolos de segurança;
  • Definição de escalas de trabalho e etapas de retorno por equipes ou áreas da agência;
  • Rotina de limpeza e desinfecção definida e comunicada;
  • Proibição de compartilhamento de objetos pessoais, materiais de escritório e outros possíveis vetores de contaminação;
  • Criação de área na entrada da agência para desinfecção, limpeza de sapatos e objetos que venham da rua;
  • Revisão regular dos sistemas de ar refrigerado e ventilação;
  • Disponibilização de máscaras para os empregados, atendendo à regra de troca das máscaras a cada duas horas;
  • Limpeza e higienização das máscaras garantida;
  • Instalação de álcool em gel em todos os ambientes da agência. Água, sabão e papel para limpeza sempre disponíveis nos banheiros com avisos para manutenção da limpeza;
  • Definir regras para uso de copa. Na primeira fase, recomenda-se a proibição de aglomerações nesses ambientes, com escalonamento para refeições e limpeza nas trocas de escala;
  • Definir procedimento de destinação de lixo potencialmente transmissor do vírus;
  • Se trabalham em co-work, exigir do locador do espaço a implementação das medidas acima e comunicar aos funcionários que irão retornar ao trabalho quais os cuidados estão sendo tomados.

Trabalho in company, eventos, gravações e acompanhamento de entrevistas

É comum no setor o trabalho de profissionais das agências nas dependências dos clientes. A Abracom recomenda que o retorno desses profissionais a essa condição seja alinhado com o retorno dos profissionais ao escritório da agência. Se não for possível, recomenda-se que o cliente apresente o plano de segurança do ambiente, nos termos propostos acima, com a assinatura de termo de corresponsabilidade, além de termo de aceitação por parte do funcionário.

Outra situação frequente é de acompanhamento de entrevistas dos clientes. Nestes casos, sempre que possível, a orientação e acompanhamento para entrevistas deve ser feita por videoconferência. Se for necessária a presença física, produção de objetos para a entrevista e entrega de materiais para a reportagem, recomenda-se:

  • Distanciamento de pelo menos 1,5m dos demais participantes da entrevista;
  • Uso de ambiente higienizado e arejado;
  • Uso de máscaras por todos os participantes da entrevista e da produção;
  • Higienização prévia de materiais que serão entregues à reportagem (press kits, produtos, materiais impressos) com uso de luvas para o manuseio dos mesmos.

Eventos presenciais: a recomendação expressa da Abracom é que não sejam marcados e nem aceitos trabalhos em eventos presenciais antes da liberação total das atividades pelas autoridades locais ou estaduais. A partir da liberação, devem ser observadas as orientações a cada etapa, respeitando-se a quantidade de pessoas e as medidas de distanciamento autorizadas.

Fase 1: a partir de 1º de agosto

Retomada dos escritórios. Nesta fase recomenda-se ocupação de no máximo 15% dos postos de trabalho. Prioridade para atividades administrativas e áreas que exigem produção e equipamentos como design, vídeo e áudio.

Fase 2: a partir de 1º de setembro

Retorno de equipes de atendimento, com ocupação de até 50% do escritório e escalonamento de horários ou revezamento de equipes por dias intercalados. Esta fase deve ser condicionada à redução do número de casos na cidade onde está sediado o escritório e autorização para retorno. Priorizar profissionais que não dependam do transporte público e estejam fora dos grupos de risco.

Fase 3: retorno total

O atual quadro da pandemia no Brasil impede que esta fase seja planejada e até mesmo anunciada. Empresas de comunicação devem adotar a cautela como norma.

Como referência, sugerimos a adoção das medidas gerais para escritórios publicadas pela Prefeitura do Município de São Paulo neste link. Também usamos como fonte de informações, as recomendações da OMS https://www.who.int/ e do Ministério da Saúde www.saude.gov.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *