Tem início a reestruturação na Abril

A Editora Abril anunciou na última 6ª.feira (7/6) a reestruturação que todo o mercado já esperava. Em dois comunicados, a empresa confirmou Victor Civita Neto, o Titti, como novo presidente do Conselho Editorial, na vaga antes ocupada por seu pai Roberto Civita, e anunciou algumas importantes mudanças, como reagrupamento de núcleos, fim de algumas áreas, reposicionamento do estafe e a demissão de sete diretores, quatro deles da área editorial: Alfredo Ogawa (Serviços Editoriais da Abril Mídia), Brenda Fucuta (UN Segmentada I), Kaike Nanne (Núcleo Comportamento) e Márcia Neder (Núcleo Moda e Beleza); os outros são Claudio Ferreira (Comercial de Administração da Unidade de Negócios Veja), Daniel Gomes (Planejamento Estratégico e Novos Negócios) e Paula Traldi (RH da Abril Mídia). Comenta-se no mercado que a empresa fará nesta semana outros cortes de pessoal em função da reestruturação e que extinguirá até dez de suas publicações. Para Julio Hungria, do Blue Bus, e Mauro Malin, do Observatório da Imprensa, essas demissões refletem também quedas nas vendas de praticamente todos os títulos da Abril. Segundo Malin (http://migre.me/eXdQt), “os casos mais dramáticos, do ponto de vista da circulação (que se reflete no custo por mil dos anúncios, nove fora os descontos, às vezes monumentais), são os da Playboy (de 221,7 mil para 136,3 mil, perda equivalente a 38,52%), da Capricho (-30,2%), da Info Exame (-22,73%), da Nova Escola (-16,83%), da Exame (-16,1%) e da Superinteressante (-11,2%). Três importantes revistas femininas do grupo também perderam circulação: Claudia (-7,1%; trata-se de uma publicação que roda em torno de 400 mil exemplares), Nova (-9,1%; na faixa de 240 mil/218 mil) e AnaMaria (-9,5%, 229 mil/207 mil). Sobre os cortes que estão por ser anunciados, vale a pena repetir o que declarou a J&Cia 899 um dos editores da Abril: “Se tiver bom senso, a empresa preservará a área de negócios, que já deu sua cota de sacrifício em cortes recentes e hoje está à beira de um colapso. Grande parte de nossas redações tem hoje dez, 15 profissionais e reduzir ainda mais será suicídio”. Titti No Grupo Abril desde 1990, Titti foi responsável pela implantação da MTV Brasil. Em 1995 assumiu a Diretoria de Programação e Produção da TVA e desde então esteve envolvido na criação de sites, vídeos e produções de audiovisual para o Grupo Abril. Ao lado dele no Conselho estão confirmados o vice-presidente Thomaz Souto Corrêa, o presidente-executivo Fábio Colletti Barbosa, além de Elda Müller, Jairo Mendes Leal e José Roberto Guzzo. Seu irmão, Giancarlo Civita, o Gianca, segue como presidente do Conselho de Administração do Grupo, chairman da AbrilPar e diretor Editorial. Sobre a primeira semana de Titti na função, Paulo Nogueira,  que atuou por muitos anos na Abril, inclusive em posições de direção, diz em seu blog Diário do Centro do Mundo (http://migre.me/eXdXx) ter ficado surpreso com a capa da primeira edição de Veja sob a nova gestão: “Era de esperar que sob Titti, mais jovem, na casa dos 40, a revista se tornasse mais arejada e menos raivosa, condições essenciais para que se faça bom jornalismo. O primeiro sinal é ruim. A revista que está nas bancas parece ter 150 anos de idade, e tomada dos preconceitos da senectude. Você vai ao site e vê Reinaldo Azevedo pedir cadeia para os jovens do Movimento Passe Livre. Não há por onde escapar. Considerada a dimensão da repulsa à linha da revista, abrir a janela é urgente – caso se entenda que a receita que vinha sendo seguida não traz bons resultados. Os italianos têm a palavra perfeita para isso: aggiornamento. Modernização. Me chamou a atenção, ao escrever sobre a morte de RC, o grau de ódio em tantos manifestantes. Permanecendo as coisas como estão, Titi Civita logo atrairá para si a herança da rejeição que marcou os últimos anos de seu pai”. O comunicado Reproduzimos a seguir o comunicado em que a empresa explica as mudanças em sua estrutura: “Com objetivo de posicionar claramente a empresa frente aos desafios que a indústria da comunicação vem enfrentando em todo o mundo, o presidente-executivo, Fábio Colletti Barbosa, anuncia um novo desenho organizacional por meio do qual a Abril S.A. passa a operar a partir desta data. A nova estrutura representa uma evolução dos esforços que a Abril vem empreendendo para manter-se líder no setor brasileiro de mídia impressa e ampliar sua relevância no mundo de conteúdos digitais. A concepção do novo desenho teve como premissas fundamentais o fortalecimento do jornalismo de qualidade; a valorização das marcas para consolidar a entrada em novos negócios; o equilíbrio entre produção e distribuição de conteúdo impresso e digital; uma maior autonomia das unidades de negócios; a diminuição de distâncias hierárquicas para dar mais velocidade às decisões e aos processos internos e, assim, aumentar a conexão com as comunidades de leitores, internautas e usuários; e, por fim, a manutenção do foco na racionalização dos recursos. A nova estrutura O desenho da nova estrutura apresenta como principal movimento a reorganização e o reagrupamento das Unidades de Negócios que estavam anteriormente sob o chapéu da Abril Mídia e que agora passam ao comando direto do presidente-executivo da Abril S.A., Fábio Colletti Barbosa. São as seguintes as novas UNs: Unidade de Negócios Veja – reúne as atividades comerciais da marca e terá no comando Thais Chede Soares, que acumula temporariamente sua atual função como Diretora Geral de Publicidade. Já as atividades editoriais permanecem subordinadas ao Conselho Editorial. Unidade de Negócios Exame – reúne todas as operações comerciais e editoriais da antiga UN Negócios e Tecnologia e permanece sob o comando de Claudia Vassallo. Unidade de Negócios Abril Segmentadas – reúne todas as operações comerciais e editoriais dos núcleos das antigas UN I, UN II e MTV. Terá em seu comando geral Helena Bagnoli e Claudia Giudice como diretora Superintendente. Unidade de Novos Negócios Digitais – a Abril vai fortalecer sua presença nos negócios digitais, buscando novas oportunidades e receitas no mercado. Neste contexto, esta unidade, que terá Manoel Lemos como titular, reúne as seguintes operações: Alphabase, iba, Elemidia, E-commerce e um Fundo de Investimento em Empresas de Tecnologia. As operações com foco em TI, que se encontravam sob a responsabilidade de Lemos, na extinta Abril Mídia Digital, migrarão para a Diretoria de TI (Claudio Prado), enquanto que as áreas de PMO e Transmídia permanecem temporariamente sob a sua responsabilidade para, em breve, migrarem para as respectivas redações. Unidade de Negócios Assinaturas – continuará sob a liderança de Fernando Costa. Além das cinco UNs, o negócio Casa Cor, sob o comando de Ângelo Derenze, ficará subordinado a Fábio Barbosa. A Abril S.A. mantém, ainda, sob seu reporte, a DGB, holding de logística e distribuição (Marcos Grodetzky), a Diretoria de Recursos Humanos (Cibele Castro) e as áreas de Relações Institucionais (Meire Fidelis) e Relações Governamentais (Angela Rehem). Cria uma posição de assessoria editorial à Presidência, a ser ocupada por Elda Müller, que dará continuidade ao trabalho que vem realizando em coordenação com Thomaz Souto Corrêa; nesse papel, Elda terá o título de diretora de Planejamento Editorial. Cria também a Vice-Presidência de Operações e Gestão, que terá Marcelo Bonini como titular. Vice Presidência de Operações e Gestão A recém-criada VP apresenta a seguinte estrutura: Superintendência da Gráfica (Eduardo Costa); Diretoria de Tecnologia da Informação (Claudio Prado); Diretoria Jurídica (Daisy Kosmalski); Diretoria de Planejamento e Controle Mídia e Administração (Fábio Gallo); Tesouraria Corporativa (Waldemir Reis); Diretoria de Controladoria Corporativa (Mauro Catucci); Planejamento e Controle Corporativo (Filomena Martins); Diretoria de Planejamento Societário e Tributário (Manoel Bizarria). Os titulares de todas essas diretorias, portanto, reportam-se diretamente a Marcelo Bonini.  As áreas de Administração e Facilities (Antonio Carlos Lopes) e de Suprimentos (Fábio Merlo), que estavam interinamente reportando-se a ele, incorporam-se à equipe de Fábio Gallo. Com esta nova configuração, as áreas de suporte, que estavam sob a Abril Mídia, têm os seguintes destinos: as atividades da Diretoria de RH Abril Mídia são absorvidas pela Diretoria de Recursos Humanos da Abril S.A. A estrutura de Serviços Editoriais tem os seguintes destinos: Os setores de Infografia, Apoio Digital, Apoio Técnico e Difusão, Carta do Editor e Gestão são descontinuados; Pool Tablets migra para a Diretoria de TI; Arte, Abril Press, Dedoc, Memória Abril, Pesquisa de Mercado e CTI-Centro de Tratamento de Imagens migram para a Diretoria de Planejamento e Controle Mídia e Administração (Fábio Galllo); e Treinamento Editorial migra para a Diretoria de RH da Abril S.A.. Já a área de Planejamento Estratégico e Novos Negócios deixa de existir, exceto seu núcleo de Licenciamento Nacional e Internacional, que migra para a Diretoria de Novos Negócios (Lavitor Matzembacker), na AbrilPar  (holding que controla a Abril S.A. , a Abril Educação S.A., e outros empreendimentos) e o projeto Precificação, que vai para Fábio Gallo. Quem deixa a empresa Com esses movimentos, deixam a empresa os seguintes executivos: Alfredo Ogawa, diretor de Serviços Editoriais da Abril Mídia, na Abril há 26 anos; Brenda Fucuta, diretora Superintendente da extinta UN Segmentada I, na Abril há 22 anos; Claudio Ferreira, diretor Comercial de Administração da Unidade de Negócios Veja, na Abril desde 2003, além de duas outras passagens pela empresa; Daniel Gomes, diretor de Planejamento Estratégico e Novos Negócios, há pouco mais de um ano na Abril; Kaike Nanne, diretor do Núcleo Comportamento, na Abril desde 2005; Márcia Neder, diretora do Núcleo Moda e Beleza, na Abril há 34 anos;  Paula Traldi, diretora de Recursos Humanos da ex-Abril Mídia, que está na empresa desde 2010.  Fábio Colletti Barbosa fala sobre as contribuições dadas à Abril por cada um dos que agora deixam a empresa. “Quero agradecer, em nome dos abrilianos, a cada profissional o tempo em que esteve conosco. Essa reestruturação é uma prova de que estamos conectados tanto com os desafios quanto com as oportunidades da comunicação do Século XXI e que continuamos com uma confiança inabalável em nosso jornalismo e em nossas revistas e firmes no propósito de ganhar relevância no mundo digital”, afirma ele. “As marcas da Abril seguem focadas no objetivo de superar as expectativas de nossos clientes, de cada um de nossos leitores, a cada nova publicação. Os desafios que temos pela frente são muitos, mas a determinação para superá-los é o que deve nos mover. É para isso que estamos trabalhando o tempo todo”, finaliza. Giancarlo Civita, por sua vez, faz questão de reconhecer a contribuição que cada um desses profissionais que estão deixando a empresa deu para o sucesso da Abril. Ele conclui lembrando que “todos os movimentos na busca de melhores resultados estão amplamente ancorados na missão e nos valores do Grupo Abril”.”