De mudança para os EUA, Sobel recebe homenagem por contribuição à democracia

Por iniciativa conjunta da família de Vladimir Herzog, da Congregação Israelita Paulista e da Comissão Nacional de Diálogo Religioso Católico-Judaico, o rabino Henry Sobel, que voltará a morar nos Estados Unidos no final do ano, será homenageado no próximo dia 31/10, às 19h, no Memorial da América Latina, em São Paulo, por seu papel na abertura democrática do País. Vale lembrar que ele, dom Paulo Evaristo Arns e o reverendo James Wright lideraram e celebraram em 31/10/1975 um ofício inter-religioso pela alma de Vladimir Herzog, torturado e assassinado no DOI-CODI no dia 25 daquele mês. O ato religioso marcaria o início do processo de abertura política no País. Mais de oito mil pessoas se reuniram na Catedral da Sé e em seus arredores para o culto, mesmo com a imprensa censurada e a cidade sitiada pela polícia. A versão da ditadura para a morte de Herzog foi de suicídio. A tradição judaica manda que suicidas sejam sepultados em local separado, mas Sobel se negou a fazê-lo, o que significou desmentir publicamente a versão dos militares.