22.4 C
Nova Iorque
domingo, setembro 26, 2021

Buy now

A desinformação agora é Light

Por Luciana Gurgel

Luciana Gurgel

A expressão “enxugar gelo” cai como luva para ilustrar as tentativas de estancar desinformação e discurso de ódio nas mídias sociais e na web. Assim como o coronavírus, ambos resistem firmes.

As plataformas digitais intensificaram mecanismos para identificar e remover conteúdo nocivo − ainda que aquém do que muitas entidades e governos desejassem. Agências de fact-checking aprimoraram ferramentas tecnológicas e integração global.

Mas o inimigo é ardiloso. No Reino Unido, que sofre com as investidas dos que contestam o distanciamento social e as vacinas contra a Covid-19, a novidade agora é um falso “jornal de verdade”, que pode não ser o único do gênero pelo mundo.

O The Guardian publicou em 27/11 uma matéria sobre o Light, criado em Manchester pelo dono de uma loja de camisetas com mensagens renegando vacinas e questionando o atentado de 11 de setembro, sugestivamente denominada Conspiracy Shirts. O currículo do editor não deixa dúvidas sobre a linha editorial.

Verificadores de fatos chegaram ao “veículo” na caçada à origem de uma reportagem informando que uma agência governamental americana teria declarado a inexistência da Covid-19. A foto da matéria viralizou em vários países.

O Guardian classificou o jornal de falso porque só foram publicadas três edições desde o lançamento, em setembro. Seu site não exibe notícias. Tem os exemplares em pdf para download, produtos à venda e banners para compartilhar.

O objetivo parece claro: é um instrumento para gerar fake news com aparência de matérias jornalísticas, cujo alcance aumenta com a distribuição via redes sociais. Por se assemelharem a notícias de verdade, tornam-se mais críveis. Isso foi confirmado pelo editor, que disse ao Guardian ter criado o Light para fugir da censura das plataformas.

Uma ideia antiga, de cara nova

Jornais apócrifos para difamar adversários fazem parte do repertório político brasileiro. Mas o Light é outra coisa, pois de anônimo e artesanal como os panfletos de antigamente ele não tem nada.

A equipe é identificada no expediente. Várias matérias são assinadas. Com cerca de 20 páginas, é dividido em editorias (política, economia, internacional, saúde). Tem entrevistas, anúncios e até palavras-cruzadas. Ao final, sinaliza a que veio: oferece pôsteres com mensagens contrárias às medidas de isolamento.

O Light também não pode ser comparado a um jornal partidário, que defende uma causa, pois o conteúdo vai além da opinião. Ele apresenta matérias supostamente factuais, só que inteiramente baseadas em falsidades que beiram o grotesco.

Impressionante como gente em um país de alta escolaridade propaga matérias como uma que abre dizendo: “O Departamento de Defesa e a Fundação Bill e Melinda Gates associaram-se a uma companhia do Vale do Silício, a Profusa, para implementar uma tecnologia capaz de controlar nossas mentes. O que pode parecer ficção científica está acontecendo agora”.

Os leitores são aliciados para distribuírem o Light por um grupo privado com 5 mil membros no Facebook. Dá certo. O Guardian encontrou exemplares no comércio de várias cidades, incluindo cafeterias em Londres.

O Light é um exemplo de como as redes sociais que banem teóricos da conspiração continuam sendo usadas para propagar desinformação por meio de artifícios criativos, demonstrando que ainda têm muito a fazer para curar a doença.

Enquanto isso, a web também continua dando guarida aos excluídos e aos que fogem da moderação das redes. O caso mais eloquente é o da rede americana Parler, que abriga pessoas e grupos banidos pelas plataformas globais. E também aqueles que ainda estão nelas e aproveitam seu alcance para levar seguidores a um novo território livre e sem controle.

Os números ainda são pequenos se comparados aos de Twitter e Facebook. Mas, segundo o Washington Post, após as eleições americanas ela chegou a alcançar a liderança em downloads na Apple Store. E já ultrapassa 10 milhões de usuários.

Vem aí mais gelo para enxugar.


  • Leia em MediaTalks: o que é a Parler, rede social que cresce abrigando discursos de ódio e preconceitos banidos de Facebook e Twitter.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter semanal MediaTalks by J&Cia com o resumo de novos conteúdos e dicas de leitura sobre jornalismo

Related Articles

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
22,043FãsCurtir
2,959SeguidoresSeguir
18,500InscritosInscrever

Últimas notícias

pt_BRPortuguese