Michel Laurence

(Marselha/França, 5 de setembro de 1938 – São Paulo/SP, 25 de outubro de 2014)
 
“Michel me ensinou o grande segredo:
a notícia e a verdade antes de tudo.
Se hoje sou o Galvão Bueno, polêmico,
mas respeitado, devo um bocado
a esse francês de alma universal.”
Galvão Bueno, in Causos
da Bola (Realejo, 2015)
 
 
Michel Laurence nasceu em 5 setembro de 1938, em Marselha (França), filho de mãe brasileira. Seu pai, Albert Laurence, foi chefe de Esportes do jornal Última Hora (RJ). Foi pai dos jornalistas Bruno Laurence e Clarissa Laurence.
 
Foi o primeiro repórter contratado para fazer parte do time da Placar (SP), da Editora Abril, em 1969, revista que se tornaria referência em Jornalismo Esportivo no País. Ao lado do fotógrafo Manoel Motta, criou o troféu Bola de Prata, dado anualmente pela revista aos melhores jogadores do futebol brasileiro desde 1970. Publicou na revista, também, a última entrevista exclusiva de Pelé como jogador do Santos Futebol Clube, em 1974.
 
Também passou por Última Hora (RJ) – onde começou a carreira –, Jornal do Brasil (RJ), Jornal da Tarde (SP) e O Estado de S.Paulo (SP). Na TV, atuou na TV Globo (RJ), TV Bandeirantes (SP), TV Record (SP), TV Cultura (SP) – onde foi um dos idealizadores do programa Grandes Momentos do Esporte e Cartão Verde – e TV Manchete. Na internet, editou o blog Jogo Quase Perfeito, no portal iG, desde dezembro de 2007.
 
Cobriu oito Copas do Mundo de Futebol. Em 1969, em plena ditadura militar, venceu o Prêmio Esso de Jornalismo, ao lado de José Maria de Aquino, na categoria Trabalho Esportivo, com a matéria O jogador é um escravo, publicada em O Estado de S.Paulo.
 
Faleceu em 25 de outubro de 2014 em São Paulo (SP), vítima de septicemia, após complicações decorrentes de uma cirurgia no braço. Seu último texto foi sobre o grande amigo Pelé, sobre quem tanto escreveu, publicado em seu blog no dia do aniversário do Rei do Futebol, 23 de outubro.
 
Foi homenageado in memoriam em dezembro daquele ano com o Troféu Ford/Aceesp Ely Coimbra
 
É autor do livro Causos da Bola (Realejo, 2015), publicado postumamente. Tem, ainda, textos publicados em dois livros: Pelé 70 (Realejo/Brasileira, 2010) e 11 Gols de Placa: Uma seleção de reportagens (Record, 2010). Foi torcedor do Santos Futebol Clube.
 
 
Atualizado em agosto de 2015
 
Fontes:
Foto: Alexandre Giesbrecht

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *