Luiz Guimarães

Luiz Carlos Monteiro Guimarães é formado em Jornalismo e pós-graduado em Marketing pela Pontifícia Universidade Católica, PUC/RS, em 1978, quando também conseguiu o primeiro emprego no Jornal Caxiense, em Caxias do Sul, Rio Grande do Sul. “Eu tinha um amigo que era de Caxias e me falou sobre duas vagas no jornal, uma para diagramador, que ficou com ele, e a outra para repórter, que foi minha”, recorda-se.

Enquanto trabalhava no jornal em Caxias, Guimarães fez uns trabalhos freelances para a sucursal do Correio do Povo. As matérias agradaram e, depois de um ano foi convidado para ser redator especial na Central do Interior, em Porto Alegre. A função atendia a todos os veículos da Caldas Júnior na época – Folha da Manhã, Folha da Tarde, Correio do Povo e Rádio Guaíba.

Atuou também como chefe da Central do Interior e Chefe de Reportagem. Durante um ano conciliou o trabalho no jornal com as aulas de Redação Jornalística no curso de jornalismo da Universidade Luterana do Brasil, Ulbra. Lecionou por dois semestres.

Mudou-se para São Paulo e durante seis meses trabalhou para algumas revistas especializadas e, em setembro de 1984, voltou a Porto Alegre para ser chefe da central de texto do então reativado Correio do Povo. Por lá ficou 10 anos.

O jornal Gazeta Mercantil em uma fase de se firmar como um dos maiores da América Latina, com sucursal em Buenos Aires e Gazetas Regionais em todos os estados do Brasil, convidou Guimarães para ser repórter da sucursal da Gazeta Mercantil, em Porto Alegre.

Para a Gazeta Mercantil conquistou um furo nacional: na edição de 8 de dezembro de 1998 o jornal destacou na capa a manchete “J.C.Penney compra a Renner e estreia no Brasil”, a notícia só seria revelada dia depois, em coletiva de imprensa. Foram seis anos na Gazeta Mercantil.

Por algum tempo trabalhou em assessoria de imprensa para empresas, entre elas a Massey Ferguson. Foram dois anos – entre 2001 e 2003 – trabalhando como assessor até que recebeu o convite para ser editor executivo da Revista Amanhã. Seis meses depois veio uma nova proposta para o cargo de Secretário de Redação do Jornal do Comércio.

Guimarães traz no currículo três Prêmios ARI de Jornalismo, dois na categoria crônica, conquistados em 89 e 90 e um na categoria economia, conquistado em 2002.

Estreou no mercado literário, em julho de 2014, com o romance Vinhas da Peste, uma obra que traz para a ficção um episódio real da história recente do Rio Grande do Sul. O livro é ilustrado pelo cartunista Santiago, tem capa de Marco Cena e prefácio do escritor e Secretário da Cultura do Rio Grande do Sul, Luiz Antonio de Assis Brasil.

A obra, lançada pela Editora AGE, tem como pano de fundo o surto de aftosa, que atingiu o Rio Grande do Sul na segunda metade do ano 2000. No cenário da cidade de Joia, situada no noroeste gaúcho, o autor traz para o conflito o debate político acerca do episódio e extrapola para o romance policial quando um assassino em série barbariza a pequena comunidade.

Ele tem ainda mais de 300 crônicas escritas. “Um dia pretendo me debruçar sobre elas e compilar os textos para a publicação de um livro de crônicas e contos”.

Desde 2004 está no Jornal do Comércio onde acumula também a função de editor de economia.  

 

 

Atualizado em julho/2014 – Portal dos Jornalistas

Fontes:

http://www.jornalistas-rs.org.br/index.php/item/244-jornalista-luiz-guimaraes-estreia-na-ficcao/244-jornalista-luiz-guimaraes-estreia-na-ficcao.html

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *