Memórias da Redação ? Baú de lembranças

Luiz Roberto de Souza Queiroz, o Bebeto (lrobertoqueiroz@uol.com.br), publicou na comunidade eXtadão do facebook um texto sobre sua coleção de credenciais e o reescreveu a nosso pedido para este espaço. Baú de lembranças A caixa com mais de 80 credenciais, lembrança de 44 anos de reportagem, aparece como todo ano no meio das velharias para jogar fora e, como todo ano, adiamos a decisão de mandar para o lixo. São lembranças distantes, credencial da visita do príncipe Akihito do Japão, do De Gaulle, do Xainxá do Irã (quando a gente nem imaginava o que seria um aiatolá), do rei Olavo V da Noruega, da Rainha Elizabeth, do presidente Marcelo Caetano, de Indira Ghandi, de Miterrand, do presidente da Itália (nem lembro quem era) quando vieram ao Brasil. A credencial mais antiga, do Congresso da UNE de Santo André, assinada por alguém sem sobrenome, Pedro João Francisco, junto com a carta do secretário de Redação Nilo Scalzo, de 23 de julho de 1963, dizendo que eu estava credenciado pelo Estadão a cobrir o XXVI Congresso Nacional de Estudantes, em Santo André. A carta era necessária porque, recém-contratado, ainda estagiário, não tinha carteira do jornal, que fazia falta, já que para os Jogos Panamericanos tive que ser credenciado como Auxiliar de Repórter, equivalente a ?filhote de foca?. Há documentos estranhos no meio, como a credencial da Union Internationale des Télécommunications que me autorizava a passar notícias da revolução da Bolivia na forma telegramas, credencial do II Congresso Nacional sobre Educação Sexual, da Feira da Indústria Britânica de 1969 e, em 1994, levei no peito a credencial do Jornal Infecto, emitida pelo VIII Congresso Brasileiro de Infectologia, menos embaraçosa do que a credencial da União de Tendas Espiritas de Umbanda e Candomblé, assinada por um diretor que me identificou como ?Imprença?, que corrigi à mão, de vergonha. Curiosa também a credencial da visita do Papa João Paulo II, na qual sou identificado como Francisco de Assis Alves Brant, com direito a foto do gajo. É que minha credencial sumiu e me deram outra, de um repórtter que não apareceu.  Há dúzias de credenciais do Ministério da Guerra, autorizando ?livre acesso para o exercício de sua profissão?, isso em 1969, imaginem, para o Grande Comicio das Diretas; para a assembleia da Sociedade Americana de Imprensa; para o Carnaval; para a chegada do ?Exmo. General de Exército Costa e Silva? a Congonhas, em 1964, credencial da 4ª Zona Aérea, o que não me impediu de ficar preso no quartel, de onde Oliveiros Ferreira me tirou, gritando ao brigadeiro José Vaz que ?o Bebeto é como um soldado, cumpre ordens do comandante, que sou eu: se é para prender alguém, me prendam, mas não a ele?, momento que me enche de orgulho de ter trabalhado no Estadão. Há muitas credenciais da Federação e do Sindicato dos Jornalistas, que sempre tentamos fazer valer, mas eram recusadas pelas autoridades de plantão. A caixa tem de tudo, braçadeiras de feltro escrito ?Imprensa?, cartazes para o parabrisas com carimbo da Casa Civil, garantindo ?Trânsito Livre?, para que o carro de reportagem, às vezes o fusquinha do Mané ?Fitipaldi? não fosse barrado na carreata, e credenciais assinadas por companheiros que se foram, Ennio Pesce, Vitor Paladino, entre outros. É um montinho de credenciais coloridas, que todo ano a Táta tenta montar num quadro e toda vez acaba voltando para o armário. Toda vez, menos agora, que ao comentar sobre elas no eXtadão, no Facebook, recebi o carinho da Maria Luiza Brandalise, do Waldo Claro, do Zeca Cafundó, do Roberto Capuano, do Flávio Serpa, do João Luiz, dizendo que não jogue fora. E, para completar, o pedido do Wilson Baroncelli, do Jornalistas & Cia., pedindo para publicar o texto, aqui ampliado. Acho que eles têm razão. Cada credencial acende uma lembrança: as credenciais assinadas pelo Cesar Tácito Lopes, que nos permitiam sair do Dops depois de tentar inutilmente colher notícias que sabíamos não seriam publicadas; do medo do delegado Alcides Cintra Bueno, o “Alcides Porquinho”, ameaçando aos gritos prender o repórter que tentasse cumprir a missão de fazer reportagem. Achava que eram lembranças que apenas eu sentia, fonte de energia que afeta só a mim, quando pego cada credencial. Como dizia Sartre, “a verdade de cada um é única e incomunicável”. As manifestações dos colegas mostraram, porém, que esse passado doce-amargo não é uma lembrança pessoal, é partilhada pelo Waldo Claro, que guardou a credencial do Estadão assinada por Ruy Mesquita; pelo Wanderley Midei, que as mantém numa mala, sob a cama; do Plínio Vicente, que se ofereceu para comprá-las para que eu não jogue fora; do Renato Lombardi, que deve ter muito mais credenciais do que eu; do João Luiz Guimarães, que, na outra ponta, tentava publicar o material censurado. As credenciais lembram tempos difíceis, em que, com elas na mão, dizíamos com falsa segurança e ainda mais falsa coragem “eu sou do Estadão e vim fazer reportagem”; em que a gente tentava ter notícias dos companheiros presos no DOI-Codi, do Duque Estrada, que pensávamos, não será torturado, afinal é de família de militares; do Markum e da Diléa, do Tadeu, que os milicos até negavam que estavam presos; do Rodolfo Konder, que a ditadura enfraquecida deixou sair da prisão para assistir ao enterro do Vlado e a quem só então, à beira do túmulo, pudemos abraçar por um segundo; de tantos mais, que escaparam da ditadura mas, anos depois, não da morte, e cuja ausência deixa a vida mais vazia: Manente, Reali, Aluane Neto e meus professores de jornalismo e de coragem Hélio Damante, Antonio Lúcio, Mathias Arrudão, Frederico Branco. E agora, depois da saudade, da manifestação dos companheiros, depois de tantos anos de hesitação, a Táta finalmente está levando a velha caixa de sapatos para o moldureiro montar um quadro, lembrança de todos nós, do jornalismo heróico que vivemos um dia. E revivemos hoje, na memória.