Com a cara de São Paulo

* Por Paulo de Tarso Porrelli

 

Entusiasmado pelo memorável artigo da jornalista Mônica Paula (Prévia Eleitoral Jovem Pan: Jânio na cabeça!), publicado neste Memórias da Redação, conto a vocês este meu causo na emissora.

Era um domingo de plantão de 1990. Estávamos lá no 24° andar do Edifício Winston Churchill quando Fernando Vieira de Mello ligou para a Redação. Claudio Maurício comandava a chefia de Reportagem naquela tarde – Marcelo Parada de folga. A determinação do nosso saudoso e genial diretor de Jornalismo era uma só: “Encontrem a Rose Saldiva”.

Lembro-me de pouco antes ter voltado de uma “padoca” próxima da emissora, onde eu e Valmir Salaro almoçamos pão com mortadela, tomamos algum refrigerante e conversamos sobre a tragicomédia ao redor.

O primeiro verso de uma das épicas e docemente combativas letras das canções de Belchior – “Eu sou apenas um rapaz latino-americano, sem dinheiro no banco, sem parentes importantes e vindo do interior” – aplicava-se com precisão cartesiana a este caipira que vos escreve.

Havia sido contratado pelo Fernando depois de ele ter lido uma carta na qual eu demonstrava interesse pela Pan, se fosse para encarar o batente numa rádio na Paulicéia Desvairada.

Bem! Fato é que na segunda-feira a Saldiva&Associados revelaria o resultado de uma das suas lendárias pesquisas comportamentais: Um arquipélago chamado São Paulo; na qual a rádio Jovem Pan fora eleita com 75% dos votos como a rádio com a cara de São Paulo.

Assim que Claudio Maurício nos deu o recado do chefe eu vasculhei, feito cão perdigueiro, agendas, listas telefônicas, etc. e tais. E, nesse vaivém frenético, grudado ao telefone, acabei convencendo uma atendente da companhia telefônica a me passar um único número que fosse de alguém com o sobrenome Saldiva. O da Rose, proprietária da agência, era blindado.

Amparado por anjos, arcanjos e querubins disquei o número e do outro lado da linha ouvi a elegante voz de uma simpática e terna senhora. Era uma tia querida da Rose Saldiva.

Mansamente contei a ela que a minha carreira estava em jogo – “Somente a Rose Saldiva poderia me ajudar no cumprimento da minha pauta”, reiterei.

– Filho! Mas, pelo amor de Deus, jamais diga à Rose que fui eu quem lhe forneceu o número dela.

Ufa! Pálido, respirei fundo e liguei. Mal ouvi o alô da Rose e disparei a falar sem ponto de corte.

– Rose Saldiva! É o Paulo de Tarso da Jovem Pan. Perdoe-me a invasão. É imprescindível gravarmos com você sobre a pesquisa. O meu diretor Fernando Vieira de Mello manda-lhe um abraço e toda gratidão pela sua atenção. Dedicaremos a semana à campanha, levando ao ar entrevistas com os principais personagens. Agora o nosso chefe de Reportagem deste plantão vai falar com a senhora, para já gravarmos a primeira sonora. Por favor, Rose, um só instante. Por gentileza, não deixe de nos atender novamente caso a linha caia.

Bradei algo como: “Claudio Maurício, atenda a linha dois, é urgente”.

– Quem é? – respondeu ele.

– A Rose Saldiva – falei.

Quase nem dormi naquela noite inteira de tanta euforia.

Dizem que os fins justificam os meios. De todo modo, a Pan saiu na frente.

Antes da reunião de pauta da segunda-feira cedo recebi os cumprimentos do Fernando Vieira de Mello e do Marcelo Parada.

Os positivos desdobramentos desse case de sucesso da Saldiva&Associados via Jovem Pan vocês já conhecem.

 

Paulo de Tarso Porrelli – Foto: Davi Negri

* Paulo de Tarso Porrelli (tarsoporrelli@folha.com.br) é ex-presidente da rádio Educativa de Piracicaba (SP), e teve passagens, entre outras, pelas tevês Globo, Band e EPTV e rádio Jovem Pan, além de ter atuado em comunicação corporativa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *